MotoGP™ Basics

Voltar ao índice

Histórico

Contando com 65 anos de história, o MotoGP™ é o mais antigo Campeonato do Mundo de desportos motorizados – o primeiro ano de competição teve lugar em 1949.

A partir do início do século XX começaram a disputar-se Grandes Prémios de motociclismo em vários países e em 1938 a predecessora da actual FIM, a FICM (Fédération Internationale des Clubs Motocyclistes), anunciou um Campeonato da Europa. Contudo, o início da Segunda Guerra Mundial interrompeu a competição e só algum tempo após o final da guerra é que passou a haver combustível disponível para permitir a criação de uma verdadeira competição internacional.

PRIMEIROS DIAS

Quando o primeiro Campeonato do Mundo teve lugar em 1949, os Grandes Prémios eram compostos por quatro categorias a solo, com o primeiro título da ‘categoria rainha’, 500cc, a ser conquistado pelo britânico Leslie Graham aos comandos de uma AJS. Outro inglês, Freddie Frith (Velocette) arrecadou o primeiro ceptro Mundial de 350cc, enquanto os italianos Bruno Ruffo (Moto Guzzi) e Nello Pagani (Mondial) foram os primeiros Campeões do Mundo de 250cc e 125cc, respectivamente.

Na mesma época o campeonado de sidecar de 600cc foi ganho pelos britânicos Eric Oliver e Denis Jenkinson com uma Norton, mas a categoria de sidecar passou a ser uma competição de 500cc em 1951.

Os fabricantes italianos como os já mencionados Mondial e Moto Guzzi, em conjunto com marcas como Gilera e MV Agusta, dominaram os Campeonatos do Mundo durante a década de 50, espelhando a força da indústria das duas rodas do país nessa época. A MV Agusta foi particularmente prolífera no final da década, fazendo o pleno com a conquista dos títulos Mundiais nas quatro categorias entre os anos de 1958 a 1960 – e manteve mesmo o domínio inabalável da categoria de 500cc durante 17 anos, de 1958 a 1974.

OS “SWINGING SIXTIES”

Durante a década de 60 a industria nipónica de motos começou a crescer e foi nesses anos que muitos dos actuais construtores do MotoGP™, como a Honda, Suzuki e Yamaha, conquistaram os primeiros ceptros no Campeonato do Mundo nas categorias de 125cc, 250cc e 500cc, anunciando-se ao mundo dos Grandes Prémios. A Suzuki em particular gozou de grande sucesso na nova classe de 50cc introduzida em 1962.

O final dos anos 60 trouxe o início dos dias de glória da Lenda do MotoGP™ Giacomo Agostini – o mais bem sucedido piloto na história do Campeonato do Mundo. Até à era moderna os pilotos competiam com regularidade em duas, ou três, categorias em simultâneo e Agostini conquistou dez dos seus 15 títulos em cinco épocas consecutivas enquanto duplo Campeão de 350cc e de 500cc – um período dourado que começou em 1968 a rodar pela MV Agusta.

Por esta altura, os custos associados à participação nos Grandes Prémios tinha escalado de tal forma que várias marcas japonesas acabaram por se retirar da competição – no final dos anos 60 só restava a Yamaha. Em resposta, a FIM introduziu regras que limitaram as motos a propulsores de um cilindro na categoria de 50cc, dois cilindros nas 125cc e 250cc e quatro cilindros nas 250cc e 500cc.

O EQUILÍBRIO DE FORÇAS

No período que se seguiu, o equilíbrio de forças viu títulos serem conquistados por marcas europeias (Bultaco, Kreidler, Morbidelli, MV Agusta), japonesas (Kawasaki, Suzuki, Yamaha) e norte-americanas (Harley Davidson) – com os construtores nipónicos a conseguirem finalmente quebra o domínio da MV Agusta na categoria rainha a meio da década de 70.

Após uma ausência de quase 12 anos das corridas, a Honda regressou ao Campeonato do Mundo no final dos anos 70 e em 1983 acabou por mudar a sua filosofia, que a levava a EUAr maquinaria a 4-tempos, para construir a V3 500 a 2-tempos, conhecida como NS500, a máquina com que Freddie Spencer conquistou o ceptro Mundial de 500cc – o seu primeiro e também o da Honda desde o regresso da marca aos Grandes Prémios.

Na época anterior as corridas na categoria de 350cc terminaram ao cabo de 34 anos de competição, deixando o Campeonato do Mundo de novo com quatro categorias – 50cc, 125cc, 250cc e 500cc – com as 50cc a serem depois substituídas pelas 80cc em 1984. Uma aventura curta a do Campeonato do Mundo de 80cc, que foi disputado ao longo de apenas seis épocas, valendo quatro títulos à Derbi, três deles cortesia do piloto espanhol Jorge Martinez.

ÍDOLOS AMERICANOS

Os anos 80 e 90 foram palco de corridas soberbas na categoria rainha, em particular com a forte luta entra Honda Suzuki e Yamaha e com grandes batalhas entre estrelas americanas como Eddie Lawson, Randy Mamola, Freddie Spencer, Wayne Rainey e Kevin Schwantz. Enquanto isso, mas 125cc e nas 250cc marcas europeias como a Derbi, Garelli e, mais tarde, Aprilia lutavam pelas honras com os gigantes nipónicos.

A longa associação dos sidecars aos Grandes Prémios acabou por terminar no final da época de 1996, altura em que classe evoluiu para a Taça do Mundo de Sidecar em 1997.

Nos finais dos anos 90 a classe de 500cc foi dominada pelo herói da Honda e Lenda do MotoGP™ Mick Doohan, que conquistou cinco ceptros consecutivos antes de uma combinação de lesões ter levado o australiano a terminar a carreira prematuramente em 1999.

A ERA MODERNA

Antes da alterações dos regulamentos que levaram à mudança para as 990cc a 4-tempos na categoria rainha – em linha com a engenharia moderna e as tendências da produção – um jovem piloto italiano de nome Valentino Rossi conquistou o último ceptro da história das 500cc em 2001 com uma Honda, isto depois de se ter sagrado Campeão do Mundo de 125cc em 1997 e das quarto de litro em 1999 com a Aprilia.

Após a atribuição do novo nome ao Campeonato do Mundo como MotoGP™ em 2002 e com a introdução das 990cc, Rossi venceu quatro títulos consecutivos, dois com a Honda e dois após a sensacional passagem para a Yamaha.

Nas épocas mais recentes as categorias mais baixas foram dominadas por jovens pilotos europeus em preparação para o MotoGP™ e aos comandos de motos Aprilia e Honda, com Dani Pedrosa a ser bom exemplo disso com três títulos consecutivos – um nas 125cc em 2003 seguido de dois nas 250cc – aos comandos de uma Honda e antes de passar para a categoria rainha. Na sua primeira época no MotoGP™ Pedrosa partilhou a box da Repsol Honda com o americano Nicky Hayden, cujo estilo agressivo, mas consistente, lhe valeu o título de 2006 e colocou ponto final na glória anual de Rossi.

No início da época de 2007 foram introduzidas novas regras a restringir o número de pneus usados num fim-de-semana de Grande Prémio e a redução da capacidade do motor de 990cc para 800cc, voltando a nivelar a competição no MotoGP™ – Casey Stoner, então aos comandos de uma Ducati com pneus Bridgestone, foi o primeiro a destacar-se na nova era ao sagrar-se Campeão do Mundo. Contudo, em 2008 Rossi regressou ao topo, assegurando o sexto ceptro da categoria rainha, com Stoner a ser um distante segundo classificado da geral.

A época de 2009 assistiu à introdução da regra de fornecedor único de pneus, com a Bridgestone a ser nomeada fornecedora exclusiva da classe de MotoGP™. Rossi conquistou o seu sétimo título na categoria rainha depois de lutar com o companheiro de equipa Jorge Lorenzo, o que deixou o italiano a um ceptro de igualar o recorde de todos os tempos de Giacomo Agostini de oito coroas.

A época de 2010 viu um novo nome entrar para os livros de história da classe de MotoGP™ com Jorge Lorenzo a ser coroado Campeão do Mundo após emocionante luta pelo ceptro durante toda a temporada com o companheiro de equipa Rossi. Lorenzo mostrou soberba consistência e notável maturidade para conquistar a coroa da categoria rainha com apenas 23 anos de idade.

Em 2011 Casey Stoner passou para a Honda oficial, uma mudança que se revelou um grande sucesso. Stoner conquistou o ceptro de 2011 com uma vitória em Phillip Island, a nona, mas não a última desse ano – ele também venceu a última corrida em Valência.

Em 2012 a grelha trocou para as máquinas de 1000cc e foi Jorge Lorenzo, da Yamaha Factory Racing, quem arrebatou o ceptro ao terminar em segundo em Phillip Island. Ele contou com forte oposição de Dani Pedrosa, da Repsol Honda Team, ao longo de toda a época, enquanto Casey Stoner terminou a sua última época na terceira posição da geral após lesão sofrida a meio da temporada. O actual Campeão do Mundo de MotoGP™ é Marc Márquez, da Repsol Honda Team, que em 2013 conquistou o primeiro ceptro na categoria rainha e na época de estreia, batendo numerosos recordes pelo caminho. O Campeonato viu Jorge Lorenzo, da Yamaha Factory Team, terminar muito próximo, em segundo, após alguns espectaculares duelos entre ambos.

CONSTRUTORES – OS GRANDES NOMES

A lista que se segue apresenta as mais importantes estatísticas sobre os principais construtores que participaram no Campeonato do Mundo ao longo das últimas seis décadas (estatísticas correctas até ao final da época de 2013):

AJS 1 Título Mundial De Construtores, 9 vitórias em todas as classes

Aprilia 18 Títulos Mundiais De Construtores, 274 vitórias em todas as classes

Derbi 8 Títulos Mundiais De Construtores, 93 vitórias em todas as classes

Ducati 1 Título Mundial De Construtores, 32 vitórias em todas as classes

Garelli 5 Títulos Mundiais De Construtores, 51 vitórias em todas as classes

Gilera 5 Títulos Mundiais De Construtores, 59 vitórias em todas as classes

Kreidler 7 Títulos Mundiais De Construtores, 71 vitórias em todas as classes

KTM 3 títulos Mundiais de Construtores, 24 vitórias em todas as classes

Harley Davidson 1 Título Mundial De Construtores, 28 vitórias em todas as classes

Honda 62 títulos Mundiais de Construtores, 667 vitórias em todas as classes

Kawasaki 9 Títulos Mundiais De Construtores, 85 vitórias em todas as classes

Mondial 5 Títulos Mundiais De Construtores, 18 vitórias em todas as classes

Moto Guzzi 6 Títulos Mundiais De Construtores, 45 vitórias em todas as classes

MV Agusta 37 Títulos Mundiais De Construtores, 275 vitórias em todas as classes

Norton 4 Títulos Mundiais De Construtores, 41 vitórias em todas as classes

Suzuki 15 Títulos Mundiais De Construtores, 155 vitórias em todas as classes

Yamaha 37 títulos Mundiais de Construtores, 479 vitórias em todas as classes

LENDAS DO MOTOGP

Desde o lançamento do Quadro de Honra do MotoGP™ em 2000, vários os pilotos que foram protagonistas ao longo de mais de meio século de Grandes Prémios foram consagrados como Lendas do MotoGP™. O primeiro piloto a tornar-se numa Lenda do MotoGP™ foi o já referido australiano penta Campeão do Mundo Mick Doohan, que foi homenageado em Mugello em Maio de 2000.

Desde então, foram vários os nomes ilustres de diferentes eras da competição que entraram para o Quadro de Honda do MotoGP™, conforme se pode ver nesta lista completa:

Giacomo Agostini (Itália) 15 Títulos Mundiais, 122 vitórias em todas as classes

Mick Doohan (Austrália) 5 Títulos Mundiais, 54 vitórias em todas as classes

Geoffrey Duke (GB) 6 Títulos Mundiais, 33 vitórias em todas as classes

Mike Hailwood (GB) 9 Títulos Mundiais, 76 vitórias em todas as classes

Daijiro Kato (Japão) 1 World title, 17 vitórias em todas as classes

Wayne Gardner (Austrália) 1 World title, 18 vitórias em todas as classes

Eddie Lawson (EUA) 4 Títulos Mundiais, 31 vitórias em todas as classes

Anton Mang (Alemanha) 5 Títulos Mundiais, 42 vitórias em todas as classes

Angel Nieto (Espanha) 13 Títulos Mundiais, 90 vitórias em todas as classes

Wayne Rainey (EUA) 3 Títulos Mundiais, 24 vitórias em todas as classes

Phil Read (GB) 7 Títulos Mundiais, 52 vitórias em todas as classes

Kenny Roberts (EUA) 3 Títulos Mundiais, 24 vitórias em todas as classes

Jarno Saarinen (FIN) 1 Título Mundial, 15 vitórias em todas as classes

Kevin Schwantz (EUA) 1 Título Mundial, 25 vitórias em todas as classes

Barry Sheene (GB) 2 Títulos Mundiais, 23 vitórias em todas as classes

Freddie Spencer (EUA) 3 Títulos Mundiais, 27 vitórias em todas as classes

John Surtees (GB) 7 Títulos Mundiais, 38 vitórias em todas as classes

Carlo Ubbiali (Itália) 9 Títulos Mundiais, 39 vitórias em todas as classes

Casey Stoner (Austrália) 2 Títulos mundiais, 45 vitórias em todas as classes

Publicidade