MotoGP™ Basics

Voltar ao índice

Equipas & Construtores

Definir uma 'típica' equipa do MotoGP™ não é fácil, mas as formações de Grandes Prémios por norma consistem em investidores, pessoal da direcção, pessoa administrativo, assessores de imprensa, um grupo de mecânicos e, é claro, os pilotos.

As equipas da classe de MotoGP™ são normalmente compostas por um ou mais pilotos, normalmente dois, e, tal como acontece com os pilotos e construtores (fabricantes), as formações competem para o seu próprio título de Campeã do Mundo. Todos os pontos somados pelos dois pilotos de uma equipa, incluindo pilotos substitutos, mas excluindo wild cards, contam para o título de Campeã do Mundo de Equipas – que é atribuído em cada ano no final da época nos Prémios de MotoGP™.

NOMES DAS EQUIPAS

Os nomes oficiais das equipas são compostos por três elementos: o nome do construtor da moto ou do motor, o nome da equipa e/ou o nome do patrocinador principal.

Os patrocinadores desempenham papel fundamental no apoio à formação, já que são eles que ajudam a cobrir custos como taxas administrativas, leasing das motos, seguros, deslocações e salários do pessoal. Por seu turno, as equipas oferecem aos patrocinadores exposição mundial através dos meios de comunicação e em associação com um dos mais populares e emocionantes desportos do mundo.

Todas as equipas são membros da IRTA (International Road Racing Teams Association), uma organização formada em 1986 para representar os participantes dos Grandes Prémios com uma voz colectiva. A organização trabalha ao lado da FIM e da Dorna (ver secção dos Corpos Directivos) para manter os elevados padrões no MotoGP™ e para melhorar o desporto no seu todo.

DEFINIÇÕES

As equipas que competem no MotoGP™ variam muito em termos de orçamento disponível e de estrutura de pessoal, das equipas de 'fábrica', às 'satélite' e ás inscrições da "Classe Open" que participam nas três classes do Campeonato do Mundo de MotoGP™.

Tal como o nome sugere, as equipas de fábrica são as que contam com ligação mais próxima ao fabricante que representam. Formações com a Repsol Honda são verdadeiras montras do MotoGP™ para a 'marca' e os entusiastas do motociclismo em todo o mundo não podem ser maus para as vendas.

Enquanto isso, as formações privadas podem também ter ligações próximas com os construtores que lhes fornecem a maquinaria, mas os seus níveis de colaboração com a fábrica varia de caso para caso – com algumas formações a serem totalmente independentes das fábricas. Algumas equipas privadas fazem leasing das suas motas aos construtores e beneficiam de apoio técnico directo e do fornecimento de peças das fábricas em função dos acordos estabelecidos. Para as fábricas, as respostas destas equipas também é de grande importância para o desenvolvimento de maquinaria de corridas competitiva.

Enquanto isso, muitas equipas privadas das três categorias são operadas de forma totalmente independente das fábricas, mas alugam as motos aos fabricantes – A LCR Honda MotoGP Team faz isto na classe de MotoGP™.

Equipas a competir sob os regulamentos da “Classe Open” são formações independentes que beneficiam de regras menos restritivas no que toca ao total de motores permitidos por época e contam com maior limite de combustível. A maquinaria pode variar muito, desde motos produzidas especialmente para as corridas e que se assemelham a protótipos, a chassis independentes com motores de especulação de GP, ou de estrada com elevada afinação. Contudo, as equipas da “Classe Open” correm com software padrão da Magneti Marelli.

Carregue aqui para ver as equipas do MotoGP™.

CONSTRUTORES

Os construtores são:

MotoGP™:

Ducati, Honda e Yamaha como Construtores Oficiais. As inscrições da “classe Open” incluém FTR, Suter, ART (Aprilia), PBM.

Moto2™:

FTR, Motobost, Moriwaki, Motobi, Kalex, Speed Up, Suter, Tech3 e Caterham.

Moto3™:

Honda, KTM, Mahindra, Kalex, FTR, Suter, TSR e Husqvarna.

Publicidade