Leon Camier sobre a estreia no MotoGP™

Terça, 5 Agosto 2014

Leon Camier vai tornar-se no quinto britânico na grelha do MotoGP™ ao estrear-se este fim‑de‑semana na categoria rainha em Indianápolis. Ele vai substituir Nicky Hyden na Drive M7 Aspar enquanto o Campeão do Mundo de 2006 recupera de operação.

Com Hayden operado para resolver um problema recorrente com o pulso direito, Camier vai rodar como colega de equipa de Hiroshi Aoyama com a Honda RCV1000R durante, pelo menos, as rondas de Indianápolis e Brno. A oportunidade surge no arranque da segunda metade da época com Camier – que fez 28 anos na segunda-feira – a ter estado inicialmente ligado à IodaRacing Project para correr desde o início da temporada, mas a perda de um patrocinador gorou essa situação.
 
Leon, vais estrear-te no MotoGP™ em Indianápolis. Como te sentes?
É uma grande emoção! O mais importante vai ser aprender. Não creio que haja grandes expectativas, é apenas aprender. Não conheço nada: a equipa, a moto, os pneus, os travões, é tudo novo e também não conheço a pista. Por isso, vai ser um grande desafio para ser franco!
 
Como surgiu a oportunidade com a Aspar?
Depois de ter perdido o lugar na Ioda rodei pela BMW no Mundial de SBK, após o Sylvain Barrier se ter lesionado. Fiz algumas corridas com eles que foram mesmo boas. Quando isso terminou recebi um telefonema do Aspar para ver qual era a situação porque eles sabiam que havia um problema com o pulso do Nicky. Basicamente, tinha de estar de prevenção caso o Nicky não pudesse correr. Ele decidiu ser operado e depois fui chamado.
 
Há algum objectivo específico para este fim‑de‑semana?
Não tenho nenhum de momento. Tenho apenas de levar as coisas na calam porque é tudo novo. De momento não sei nada sobre a situação, pelo que continuar a tentar até chegarmos à qualificação, warm-up, etc. Estou certo que vou continuar a melhorar. Os pilotos vindos das Superbikes levam a maior parte do ano a aprender, pelo que eu vou ter muito que fazer em apenas duas corridas [risos]!
 
Apesar de muitos aspectos do desafio serem novos para ti, há um que será familiar: o Frankie Carchedi com quem já trabalhaste …
Sim, claro. Há alguns técnicos na equipa e o Frankie é dos responsáveis pelo chassis e electrónica. Ele sabe o que normalmente quero da moto e penso que vai fazer uma grande diferença. Tenho apenas de tentar. É um primeiro passo. Assim que tentar saberei onde estou em relação a tudo. É claro que compreendo o desafio que tenho pela frente, mas ao mesmo tempo só cá estou durante algumas corridas até o Nicky estar pronto, seja lá quando for. Não tenho de tentar fazer alguma coisa especial; só tenho de aprender.
 
Caso o Nicky Hayden não esteja apto depois de Brno podes dar por ti a competir no Grande Prémio de Inglaterra, em Silverstone...
Para ser franco, isso seria um sonho tornado realidade para mim. Não é que esteja a desejar azar ao Nicky, porque sei que não é nada agradável ter uma pessoa a vir para ocupar o nosso lugar, mesmo que seja temporariamente – já me aconteceu isso. Sei que o Nicky é visto como um lenda por todo o paddock do MotoGP, pelo que não lhe desejaria nada de mal, mas é claro que adoraria correr no meu Grande Prémio caseiro.
 
Pensas que o teu lugar na Aspar terá alguma influência no que poderá acontecer no próximo ano?
Estou certo que se começar a bater o Márquez então talvez tenha a possibilidade de ter um lugar no MotoGP no próximo ano [risos]! Sendo realista, nunca se sabe. Se tudo correr bem, então talvez surja algo, mas não espero milagres.
 
Então, ainda é cedo para falar do próximo ano ?
Francamente, não estou interessado em vir para o MotoGP a não ser que seja para algo competitivo. É o mesmo com as SBK; podemos ir lá com uma moto e situação que não sejam as correctas e vamos estar sempre atrás – é tão simples quanto isso. As regras das SBK estão a caminhar numa direcção que vai permitir que muito mais motos possam ser rápidas. Pelo que compreendo, é também o que se está a passar no MotoGP, tentar aproximar um pouco as coisas entre as motos e equipas na frente e a meio do pelotão. De momentos as minhas opções estão em aberto. Estou à espera para ver o que acontece. Sei que nas SBK todos começam a falar dentro um de um mês, ou dois, pelo que vou esperar para ver o que acontece.
 
Estás a falar com alguma equipa de MotoGP™ sobre 2015?
Houve conversas sobre algumas coisas, mas de momento temos de esperar para ver. Ainda é muito cedo e está tudo em aberto.

Vídeos:

Ver todos os vídeos deste evento

Fotos:

Abrir mais notícias

Últimas notícias

  • MotoGP™
  • Moto2™
  • Moto3™
Publicidade
MotoGP VIP VILLAGE™