Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Reacções da Honda e da Yamaha ao último dia de testes em Sepang

Reacções da Honda e da Yamaha ao último dia de testes em Sepang

Reacções da Honda e da Yamaha ao último dia de testes em Sepang

Max Biaggi (Honda): "Foi mais um bom dia de testes para mim nesta pista. Mostrei que sou capaz de andar depressa em condições menos favoráveis e que também estou consistente, o que é bom. Os pneus anteriores da Michelin de 16,5 polegadas dão-me muita confiança na frente da moto, o que do ponto de vista dos pilotos é muito importante. Gosto muito! O importante agora é repetir os resultados em Phillip Island. Vai ser bom mudar de cenário e estou ansioso por testar lá".

Sete Gibernau (Honda): "Estou bastante satisfeito com a forma como tudo correu, pois fomos capazes de fazer tudo o que queríamos durante os testes. Queríamos fazer uma simulação de corrida, ou ficar perto da distância de corrida e, na verdade, fizemos 21 voltas com facilidade, além de termos sido mais rápidos que na corrida realizada aqui no ano passado. É certo que o fizemos sozinhos e sem a pressão da prova. Fiquei feliz e isso é o queríamos. Conseguimos rodar no segundo 02 de forma consistente como queríamos. Ainda não me decidi entre as duas medidas dos pneus de 16,5 polegadas à frente, mas acabei por fazer a simulação de corrida com os que menos gosto, e isso é bom".

Colin Edwards (Honda): "Quando se roda com uma moto nova temos de começar do zero e a chave é reunir o maior número possível de dados para depois sabermos o que fazer, o que alterar e quais as afinações a escolher. Actualmente estou a recolher toda essa informação. Ainda há muito trabalho a fazer, mas tudo caminha na direcção correcta. O Fabrizio (Cecchini – Chefe de mecânicos) ouve os meus comentários e aconselha-me no que fazer e normalmente a moto fica melhor, o que é positivo. Estamos a construir uma base de dados e estamos no bom caminho".

Alex Barros (Honda): "Foi bom ter voltado a andar de moto depois de tanto tempo, mas também foi muito duro. Estou dorido e cansado. Tive de aplicar gelo no meu ombro e ajudou. Estou a recuperar a confiança. É bom estar de volta à Honda, apesar de ter de reaprender os pontos de referência todos, mas a moto é fácil de pilotar. Consegue-se ter muito controlo na Honda – pneus, suspensão. Só utilizei os pneus frontais de 16,5 polegadas, pelo que ainda é cedo para comentar. As afinações ainda não estão correctas, mas estou a melhorar diariamente. Os meus tempos por volta estão constantes e vão melhorar com o tempo. Os tendões levam tempo a recuperar a 100% e esse é o objectivo para o início da temporada".

Valentino Rossi (Yamaha): "As novas especificações técnicas do motor que utilizámos trouxeram grandes melhorias porque agora consigo acelerar mais facilmente e dá-nos mais binário em baixa. Ainda é o primeiro protótipo, pelo que ainda há muito a fazer e, além disso, a potência ainda não é suficiente. Creio que se hoje não tivesse acabo tão cedo podia ter andado mais rápido. O teste em Phillip Island vai ser importante, pois vai-nos dar a noção de quanto tempo a moto demora a ficar afinada para uma nova pista e a Yamaha tem a reputação de precisar de muitas alterações cada vez que chega a um novo circuito. Mas é claro que uma coisa é durante os testes, em que temos três dias para afinar a moto. Num fim-de-semana de corrida temos apenas três horas para o fazer. Por mim, vamos para Phillip Island com estas afinações e depois logo vemos o que acontece".

Carlos Checa (Yamaha): "Tinha grandes expectativas para hoje, mas infelizmente não atingi o objectivo – fazer voltas consistentes. Melhorei os tempos em relação a ontem, mas não foi o esperávamos. Trabalhámos principalmente num tipo de borrachas da Michelin e não fizemos alterações à moto. Estou desejoso por chegar a Phillip Island, pois é uma grande pista. Trabalhámos arduamente aqui e vamos fazer o mesmo lá".

Marco Melandri (Yamaha): "Só a partir da antepenúltima volta é que me comecei a sentir melhor que em todo o teste. Para ser honesto, tive vários problemas durante o dia, fizemos muitas alterações durante o teste e nem todas foram na direcção certa! Só por volta das 15 horas é que encontramos uma boa afinação, mas já tínhamos tido seis dias de trabalho e ainda estamos muito longe de onde queríamos estar. No final consegui ser rápido e creio que com esta afinação serei melhor da próxima vez que estiver em Sepang. Estou satisfeito por não ter caído e por estarmos a caminho de Phillip Island, onde espero que estejamos melhor!" .

Tags:
MotoGP, 2003

Outras actualizações que o podem interessar ›