Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Ducati espera começar do zero

Ducati espera começar do zero

Ducati espera começar do zero

A Ducati Marlboro Team espera melhor sorte no próximo fim-de-semana no Qatar, um novo desfio para todos os envolvidos no Campeonato do Mundo de MotoGP. Nenhum piloto rodou ainda nesta impressionante nova pista, o que significa que todos vão começar do zero aquando dos primeiros treinos livres na quinta-feira.

Loris Capirossi e Troy Bayliss esperam que este novo começo os ajude a deixar para trás todos os problemas que os têm afectado esta época. A dupla tem sido rápida nas últimas corridas, mas o azar tem impedido bons e merecidos resultados.

"Não há dúvidas que as nossas motos estão mais competitivas, muito melhores que no início da época", diz Livio Suppo, Director Desportivo da equipa. "Mas nos meses mais recentes o azar não nos tem deixado provar isso. Estou que com alguma sorte já teríamos ido ao pódio".

"Em Motegi pensámos que podíamos obter o melhor resultado da temporada, mesmo depois das dificuldades sentidas no ano passado no mesmo circuito. O Loris estava muito rápido nos treinos e no wram-up e o Troy estava rápido na corrida, mas não valeu de nada".

"Apesar de tudo estamos confiantes para Losai. É um novo traçado para todos, por isso vamos começar em pé de igualdade. Sabemos que temos boas motos e pilotos – mais tarde, ou mais cedo os resultados vão surgir".

Apenas um homem em todo o paddock rodou em Losai antes da chegada do "circo" do MotoGP. Randy Mamola, vencedor de 13 GP's de 500cc e que se retirou da competição no final de 1992, rodou no novo traçado com a Desmosedici Bi-lugar da Ducati Marlboro na cerimónia de abertura a 9 de Julho, dando aos VIP's locais uma mostra do que é uma máquina de MotoGP.

"É impressionante ver como as pessoas no Qatar estão a gostar da ideia do Campeonato do Mundo de Motociclismo visitar o seu país", diz Mamola. "Foi um esforço enorme que fizeram. A pista é larga, construída com a segurança em mente e tem curvas muito interessantes e que vão manter os pilotos ocupados. A recta é rápida – as motos deverão passar os 320 km/h – e há muitas curvas espectaculares".

Capirossi está a lutar para estar a 100% para o Marlboro Grande Prémio do Qatar. A queda na primeira curva de Motegi deixou o italiano com um osso partido no pé direito, o que utiliza para controlar a travagem da roda traseira da Desmosedici GP4.

"Tenho feito muita fisioterapia ao pé, por isso espero não ter problemas no Qatar", disse Capirossi. "Seja como for, vai ser um fim-de-semana interessante porque nenhum de nós conhece a pista. Além disso, será também o nosso primeiro GP no deserto, por isso sabemos que o calor vai estar sempre presente na corrida".

"Mas o facto de ser um traçado novo não é preocupação – uma hora é normalmente suficiente para aprender".

"Estas três corridas for a não são problema porque estamos habituados a fazer muitos quilómetros nas motos em pouco tempo. A única preocupação é no caso de contrairmos alguma lesão porque nos vai prejudicar nas duas corridas seguintes ou obrigar-nos mesmo a não alinhar".

Bayliss também espera apresentar boa prestação no Qatar depois do azar que teve em Motegi. O australiano estava a fazer uma boa prova, tendo recuperado de toda a confusão da curva um para rodar em quinto quando caiu.

"O acidente foi uma pena porque sei que estava a andar bem", disse Bayliss. "Atrasei-me por causa do acidente na curva Um e estava a recuperar posições quando caí. Desde essa altura tenho treinado como louco para garantir que posso compensar as coisas no Qatar".

"Não tenho nenhuma ideia sobre Losai, mas o mapa dá ideia de ser uma pista fluida, o que é bom. Para mim é bom ir para um circuito que ninguém conhece por oposição aos outros onde a maioria dos pilotos já correr há quatro ou mais anos. Espero que a pista não tenha muita areia".

Tags:
MotoGP, 2004, MARLBORO GRAND PRIX OF QATAR

Outras actualizações que o podem interessar ›