Compra de bilhetes
VideoPass purchase

A história da Yamaha de 1955 a 2005 – 4ª Parte

A história da Yamaha de 1955 a 2005 – 4ª Parte

A história da Yamaha de 1955 a 2005 – 4ª Parte

1967-1968: As ‘Techno Legends' das Yamaha dos anos 60's – As 125 & 250 V4s

Os finais dos anos 60's foi um período de muita inovação no mundo do motociclismo de competição, como nunca mais foi visto novamente. Numa busca incessante por aumentar a potência, os fabricantes criavam motores extraordinários com mais e mais cilindros que permitiam aumentar as rpm para alcançar mais potência e velocidade de ponta. O contributo da Yamaha para esta era dourada da tecnologia foi a RA31 125 V4 e a RD05 250 V4.

A RD05 surgiu primeiro. A primeira moto de corrida da Yamaha arrefecida a água utilizava um "twin-crank", V4 com uma caixa de oito velocidades que debitava 73 cavalos às 14,000 rpm e atingia os 241 kmh / 150 mph. Inicialmente este V4 foi montado no chassis de uma RD56, pelo que era necessário um piloto experiente para pilotar a moto nas prestações mais elevadas, como foi o caso de Phil Read que chamava a 05 de ‘extremely boisterous'. No entanto, Read acabaria por travar um interessante duelo pelo título de 1967 de 250cc com Mike Hailwood, que pilotava uma Honda de seis cilindros a quatro-tempos. Read pensou ter conseguido o título porque havia averbado mais pontos, mas devido a uma confusão com o regulamento da FIM o título foi atribuído a Hailwood.

A Yamaha teve, pelo menos a consolação de obter o seu primeiro título de 125cc com Bill Ivy e a RA31, uma versão mais pequena da 250cc. A RA31 debitava mais de 40 cavalos ás 17,000 rpm, e tinha uma caixa de nove velocidades para que o motor conseguisse as melhores prestações.

No ano seguinte a Yamaha dominou os Campeonatos do Mundo de 125cc e 250cc, sendo que Read e Ivy foram primeiro e segundo em ambas as categorias. Mas a temporada mais bem sucedida da Yamaha também terminou em controvérsia. A marca havia planeado que Read vencesse o título das 125cc e Ivy o de 250cc, mas Read não respeitou o acordo e venceu ambos. "Fiz o que achei estava correcto e não me arrependo," disse o piloto uns anos mais tarde.

Conseguindo provar os seus feitos de engenharia no Campeonato do Mundo, a Yamaha deixou os GPs no final de 1968. Preocupada que a espiral de investimento tecnológico levasse à falência algumas marcas, a FIM anunciou um conjunto de regras que impunham limitações ás motos, fazendo da RA31 e da RD05 obsoletas de um momento para o outro. Daí que a Yamaha tenha regressado ao Japão para começar a preparar aquele que seria o seu próximo objectivo – a classe de 500cc.

Tags:
MotoGP, 2005

Outras actualizações que o podem interessar ›