Compra de bilhetes
VideoPass purchase

A luta dos pneus no Qatar

A luta dos pneus no Qatar

A luta dos pneus no Qatar

Os pilotos da Michelin dominaram os dois primeiros GPs do Qatar, completando os primeiros sete lugares em 2004 e as primeiras cinco posições o ano passado. A corrida de este ano poderá decorrer um pouco diferente já que a mesma foi alterada de Outubro para Abril.

"Esperamos que o tempo esteja um pouco mais frio do que das duas últimas vezes," diz Nicolas Goubert, director de competição motociclistica da Michelin. "Testámos com a Yamaha em Fevereiro e estavam menos de 30 graus, muito mais agradável do que as condições anteriores. Quer o Valentino Rossi quer o Colin Edwards rodaram muito rápido porque a temperatura estava amena e a pista estava limpa, conseguirão fazer o mesmo este fim-de-semana? Tudo depende das condições da pista e da temperatura.

"Sabemos que Losail pode ter surpresas. Pode-se ter tudo sob controlo e depois uma tempestade de areia muda tudo. Não há muito que se possa fazer se a pista estiver coberta de areia. A areia não apenas reduz a aderência como desgasta mais os pneus. Do ponto de vista de traçado, Losail é uma pista onde os pneus são relativamente solicitados. O problema não é o pneu da frente, já que não há descidas ou grandes travagens. "Estamos muito satisfeitos com o nosso pneu traseiro de 2006, que mantém o nosso conceito para o MotoGP, com uma maior superfície em contacto com o solo para dar mais tracção e aderência. Se as condições estiverem pelo menos iguais às do ano passado podemos bater o recorde da corrida. Mas esta é apenas a segunda corrida pelo que ainda estamos a aprender", continuou Goubert.

"Nunca se sabe onde estamos nas primeiras corridas, o que é entusiasmante! Jerez não nos deu grandes indicações de como se comportam os nossos pneus de 2006 porque a pista tinha muito menos aderência do que o ano passado, por isso a corrida foi 14 segundos mais lenta."´

O detentor do recorde da volta, Nicky Hayden, concorda com a apreciação de Goubert sobre Losail. "Não é muito dura com os pneus assim a pista esteja limpa", diz o americano. "É preciso boa aderência, em especial nas longas esquerdas (curvas 10 e 11), onde se pode recuperar muito tempo se se tiver boa tracção. O facto é que a pista está tão suja no primeiro dia que os pneus da frente não duram muito, pelo que é difícil encontrar uma boa afinação".

Tags:
MotoGP, 2006, COMMERCIALBANK GRAND PRIX OF QATAR

Outras actualizações que o podem interessar ›