Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Circuito de Xangai: Um grande desafio

Circuito de Xangai: Um grande desafio

Circuito de Xangai: Um grande desafio

A China acolheu a sua primeira corrida de MotoGP o ano passado em Maio, e o impressionante Circuito Internacional de Xangai espantou todo o paddock. Tudo naquela imponente estrutura impressiona, das bancadas com capacidade para 200 mil espectadores, à recta onde se atingem velocidades de 340km/h. O desenho da pista foi baseado no carácter chinês ‘shang', que quer dizer ‘por cima', que deu origem àquela cidade portuária, significando "por cima do oceano". No ano passado, os pilotos da Michelin em Xangai obtiveram a pole position, estabeleceram o recorde da volta mais rápida e venceram a corrida, obtendo ainda cinco dos seis primeiros lugares. "Este será o nosso segundo ano no circuito de Xangai mas em certa medida vai parecer ser a primeira vez já que tivemos muito pouco tempo para testar em pista seca", diz Nicolas Goubert da Michelin. "Tivemos apenas duas sessões em posta seca durante todo o fim-de-semana, pelo que não pudemos recolher muita informação. Mas o aspecto positivo a realçar e que temos muita informação para utilizar em caso de chuva! E aquela superfície permite uma boa aderência na chuva".

"Durante aquelas duas horas de pista seca notámos que a pista é muito exigente no pneu da frente, porque há algumas curvas longas, em que os pilotos entram a grande velocidade e apoiados no travão dianteiro. A curva um tem mais de 300 graus, o que é um pouco demais, e depois temos as curvas 11 e 12, que é quase como que um direita única de 270 graus. O asfalto não é muito agressivo, ainda que o desgaste dos pneus seja algo assimétrico, com a lateral direita a desgastar mais. "O nosso pneu traseiro de 2006 deve servir em Xangai porque permite uma maior superfície de contacto nas curvas e com isso dá mais aderência aos pilotos nas longas curvas do circuito. O pneu dianteiro também deve ajudar, porque também ele permite uma maior superfície de contacto, com os pilotos a terem mais aderências nas travagens para as curvas. Isto deve ser muito importante em curvas com a 1".

"Mas porque temos tão pouco experiência no seco em Xangai será um desafio encontrar os compostos correctos para a corrida. "A maioria dos pilotos parece não gostar do traçado de Xangai, já que o único sítio em que a pista é mais fácil é a sequência das curvas cinco, seis e sete. Fora isso, há muita aceleração e travagem. As duas grandes rectas não nos preocupam muito, já que não temos problemas com o sobre aquecimento, mas acredito que sejam um espanto para os pilotos e as suas muito velozes motos!".

Tags:
MotoGP, 2006, POLINI GRAND PRIX OF CHINA

Outras actualizações que o podem interessar ›