Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Yamada revê difícil corrida para a Bridgestone

Yamada revê difícil corrida para a Bridgestone

Yamada revê difícil corrida para a Bridgestone

Depois de difícil fim-de-semana para a Bridgestone, os pilotos da Suzuki John Hoplins e Chris Vermeulen garantiram um sexto e nono posto respectivamente no Estoril, uma corrida onde os pilotos Bridgestone se debateram com dificuldades para se aproximarem do ritmo dos homens da frente. Toni Elias ganhou em emocionante sprint final rumo à bandeira de xadrez para garantir o primeiro triunfo na categoria rainha com 0,002s de vantagem sobre Valentino Rossi.

Hopkins foi o mais rápido dos quatro pilotos Bridgestone, terminando à frente de Vermeulen, Randy de Puniet e Loris Capirossi, enquanto Sete Gibernau e Shinya Nakano foram forçados a abandonar na segunda volta devido a acidentes. Na conversa após a corrida Hiroshi Yamada reviu as performances da Bridgestone neste fim-de-semana.

Não foi um fim-de-semana fácil para a Bridgestone, os resultados finais reflectem as performances?

"Penso que o John e a Suzuki fizeram bom trabalho apesar das dificuldades de todas as nossas equipas no GP de Portugal. Terminar em sexto foi um bom resultado nestas condições, bem como o nono posto do Chris no Estoril, pista onde nunca tinha rodado. Somos os primeiros a admitir que lutámos ao longo destes dias com a performance dos nossos pneus e que isso não nos permitiu ajudar as nossas equipas a lutarem por melhores posições na corrida."

Quais foram os problemas que a Bridgestone encontrou no Estoril?

"Essencialmente foi o mesmo problema ao longo de todo o fim-de-semana, que foi principalmente a falta de aderência na lateral do pneu. Usualmente quando temos este tipo de problema à sexta-feira usamos um composto mais macio para melhorar a aderência, mas quando tentámos esta solução notámos que os pneus começaram a ter problemas de resistência; os traseiros desgastavam-se muito depressa. Apesar de termos optado por rodar com composto mais duro, continuámos a sentir problemas de aderência e consequente desgaste dos pneus ao longo das 28 voltas."

A que é que se podem atribuir estes problemas?

"Recolhemos muitos dados do fim-de-semana que temos de estudar para estabelecer a causa dos nossos problemas no Estoril. A pista foi reasfaltada em algumas partes e acreditamos que isto teve muito a ver com os problemas. Sabemos de outras temporada que a nossa performance em Portugal devia ser muito boa tendo por base o segundo posto de 2004 e o quinto de 2005, mas este ano não conseguimos repetir o comportamentos dos nossos pneus noutros anos e as mudanças no asfalto novo parecem ter sido uma variável significante."

Como é que a Bridgestone pode aprender com isto no futuro?

"Infelizmente não tivemos a oportunidade de testar neste circuito desde que recebeu o novo asfalto, por isso não vimos que haveria tanto impacto na nossa performance. Agora aprendemos mais sobre as características do circuito e comportamento das especificações de pneus que utilizámos, por isso temos muito trabalho pela frente e vamos reagir em concordância. A primeira coisa a fazer será olhar para os problemas de durabilidade para garantir que estes pneus têm performances consistentes ao longo de toda a corrida."

O Loris Capirossi disse depois da corrida que para ganhar o campeonato é importante ser-se rápido em todas as pistas. Como é que a Bridgestone pode ajudar?

"Não discordo dos comentários do Loris. Posso garantir que cada uma das nossas equipas que vamos continuar a dar o nosso melhor no desenvolvimento de pneus que sejam competitivos em todas as pistas do calendário. Esta temporada é apenas a nossa quinta no MotoGP e estamos sempre a aprender. Cada fabricante de pneus, equipa e piloto tem os seus pontos fortes e fracos, boas e más pistas e nós não somos excepção. O Estoril é um dos nossos piores circuitos da temporada, mas vamos aprender com isto e só podemos agradecer às equipas por nos compreenderem e pela cooperação."

Olhando para o futuro, como é que o desenvolvimento dos pneus Bridgestone vai ser afectado pela introdução das 800cc em 2007?

"Algumas das nossas equipas já testaram as 800cc para as quais fornecemos os pneus habituais de 2006. Fizemos isto para estabelecermos uma base para nós próprios, para que possamos comparar o comportamento dos pneus com os dois tipos de motos. Até ao momento os tempos por volta têm sido muito próximos porque apesar da moto perder em potência, ganha no aumento de velocidade em curva. Isto significa provavelmente que podemos desenvolver compostos mais macios para o próximo ano, mas já começamos as análises iniciais desta alteração."

Tags:
MotoGP, 2006, bwin.com GRANDE PREMIO DE PORTUGAL

Outras actualizações que o podem interessar ›