Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Bridgestone espera tranquila transição com as duas novas equipas

Bridgestone espera tranquila transição com as duas novas equipas

Bridgestone espera tranquila transição com as duas novas equipas

Após o seu mais bem sucedido ano no MotoGP, era compreensível que a Bridgestone aproveitasse agora para fazer um pequeno descanso. No entanto, o fabricante de pneus tem estado no ceio de emocionantes mudanças na grelha de MotoGP, com novos acordos anunciados com a Gresini Honda e Pramac d'Antin Ducati para o início da era das 800cc. O motogp.com falou com Hiroshi Yamaha, responsável da Bridgestone para a competição em duas rodas, perguntando-lhe as opiniões sobre o que se passou nas mais recentes semanas.

A mudança da Gresini para a Bridgestone é algo de importante para as duas partes. Como é que surgiu o acordo?

"Já tínhamos falado com a Gresini Racing no final da temporada sobre as possibilidades da Bridgestone lhes fornecer pneus em 2007. Apesar dos rumores terem corrido ao longo de vários meses, apenas chegámos a acordo com a equipa durante o GP de Valência para abrangermos já os testes de Inverno e a temporada de 2007. Estamos muito contentes por termos unido forças com eles e estamos desejosos por desenvolver uma relação forte nos próximos meses."

A d'Antin Ducati também passou para a Bridgestone. Acredita que com a experiência dos pilotos deles vocês podem aumentar a competitividade esta época?

"Também estamos contentes por termos a d'Antin connosco no próximo ano e espero que a mudança para os pneus Bridgestone contribua para um passo em frente da parte deles. Os pneus são apenas uma parte do todo, por isso vamos continuar a trabalhar com todas as nossas equipas para melhorar a performance dos nossos pneus em conjunto com cada moto e piloto, é claro."

com duas novas equipas para fornecer pneus haverá mais stress nos recursos da Bridgestone, ou será uma adaptação fácil?

"As novas regras de pneus para a próxima temporada permitem um limite de 31 pneus por piloto, por fim-de-semana fez com se tornasse mais fácil fornecermos mais equipas. Vamos produzir menos pneus por fim-de-semana de GP, por isso vamos ter mais capacidade de produção na nossa fábrica de Tóquio. Como tal, esperamos uma transição tranquila para recebermos as duas novas equipas no ceio da família Bridgestone, a Gresini e a d'Antin."

Houve mais equipas a falarem em troca de fornecedores de pneus?

"É muito normal para as equipas manterem conversas informais com o aproximar do final da temporada para determinarem algumas escolhas para a época seguinte. Como política geral, não divulgamos os nomes das equipas com quem mantemos conversações a não ser que surja um acordo. Sentimo-nos lisonjeados pelo interesse demonstrado pela Bridgestone para a próxima temporada, o que creio ser uma prova do progresso por nós efectuado no MotoGP desde a nossa estreia há cinco anos."

Ainda é cedo, mas o que é que já aprenderam com os testes das 800cc?

"É certo que ainda estamos a dar os primeiros passos da era das 800cc, mas já vimos que não houve grandes diferenças em termos de tempos e, em algumas circunstâncias, chegou-se mesmo a melhorar registos com as novas máquinas, apesar de em condições diferentes. Com pneus de especificações de 2006 como base, já estamos a analisar os efeitos das novas motos nos pneus. A redução da entrega de potência das 800cc pode levar à adopção de compostos mais macios em alguns circuitos, mas ainda temos de desenvolver compostos mais duros para respondermos ao aumento de velocidade em curva noutros traçados."

Com algumas das equipas de topo a correrem com pneus Bridgestone em 2007 devem estar muito confiantes depois do ano passado?

"A vitória de Valência foi a forma perfeita de terminar a época, mas o nosso trabalho nunca pára. Estamos optimistas, mas não nos limitamos a adaptar os nossos pneus a novas motos e novas equipas para o próximo ano, estamos também muito activos a tentar atacar problemas chave que encontrámos em 2006, especialmente em pistas com coeficiente de fricção baixo."

Com tantos pilotos experientes nas vossas equipas quem é que deverá assumir o papel principal no desenvolvimentos dos pneus?

"Acredito que cada uma das nossas equipas tem papel importante a desempenhar no desenvolvimento dos pneus Bridgestone. Vamos apoiar quatro construtores diferentes e, uma vez que as características das motos são diferentes, temos de trabalhar muito com todas as equipas para conseguirmos os melhores resultados possíveis."

Qual é a importância desportiva e política de receberem uma equipa Honda?

"A Bridgestone tem longa e positiva relação com a Honda. Estreámo-nos em 2002 com a Honda NSR 500 do Jurgen van den Goorbergh na Kanemoto Racing Team e conseguimos a primeira vitória com a RC211V com o Makoto Tamada em 2004, no Rio. Estamos contentes por juntarmos forças de novo no MotoGP para a próxima temporada."

Qual é a importância da Bridgestone ir trabalhar com mais equipas que os seus concorrentes?

"Parece que a Bridgestone vai apoiar a maior parte das motos no MotoGP no próximo ano, e estamos muito orgulhosos de sermos o principal fornecedor do motociclismo. Vamos tornar a competição ainda melhor e mais saudável com os nossos rivais na área da produção de pneus, o que é algo que estamos desejosos por fazer."

Quais são os objectivos da Bridgestone para 2007?

"Ainda é cedo para marcar metas para 2007, mas garantimos quatro vitórias em 2006, por isso temos de melhorar no próximo ano. Tendo em conta que vamos passar a contar com cinco equipas, é claro que vamos estar sob maior pressão. As novas regras de pneus trazem uma dimensão de desconhecido à competição no próximo ano, mas espero que estejamos em posição de lutar por vitórias de forma regular."

Tags:
MotoGP, 2006

Outras actualizações que o podem interessar ›