Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Yamada rejeita Bridgestone de 16"

Yamada rejeita Bridgestone de 16'

Yamada rejeita Bridgestone de 16"

Hiroshi Yamada, responsável pelo departamento de competição em duas rodas da Bridgestone, colocou um ponto final na especulação sobre se o fabricante iria, ou não, fornecer novo pneu de 16" às equipas esta temporada. Circularam rumores sobre um pneu mais pequeno que o habitual 16,5" para ir ao encontro da estrutura mais compacta das 800cc mas, enquanto Yamaha reconheceu que o assunto merecia análise, acabou mesmo por rejeitar a possibilidade da Bridgestone mudar os tamanhos dos pneus esta época.

"Não temos intenções de produzir pneus frontais de 16 polegadas na próxima temporada. Avaliámos a possibilidade de introduzirmos um pneu mais pequeno à frente, mas concluímos que o 16,5" oferece a melhor performance às nossas equipas, mesmo com a introdução das 800cc em 2007", comentou na habitual conversa após os testes.

A Bridgestone teve um teste particularmente bem sucedido em Phillip Island, colaborando com a Ducati e a empresa centrou-se principalmente na análise das borrachas traseiras na Austrália. "O programa para o teste desta semana era a continuidade do desenvolvimento dos nossos novos pneus traseiros para as 800cc, bem como trabalho específico para a corrida na Austrália mais lá para o final do ano. Phillip Island é um circuito técnico e muito duro nos pneus porque atingimos temperaturas muito elevadas nos pneus, algo que não acontece em mais nenhuma prova ao longo da época. Não temos assim tantas oportunidades de testar em Phillip Island, por isso temos de tirar o máximo partido de cada visita ao traçado", disse, apontando que a Bridgestone trouxe mais de 1.100 pneus para testar, incluindo algumas novas construções para os traseiros.

As voltas rápidas de Phillip Island foram recebidas com muito ânimo depois da desapontante qualificação no circuito no ano passado. Apesar das temperaturas explicarem um pouco a diferença de resultados, Yamaha também explicou outros motivos para os melhoramentos.

"O maior problema que encontrámos no ano passado na qualificação do GP da Austrália foi o facto dos nossos pneus não manterem o mesmo nível de aderência durante a volta inteira. Isto forçou os nossos pilotos a conservarem os pneus abrandando o ritmo nas zonas menos críticas da volta para conseguirem manter a aderência na importantíssima última curva. Uma das nossas prioridades para esta semana era precisamente analisar este problema a fundo. De forma geral esperávamos uma melhoria de um segundo por volta do pneu de corrida para o de qualificação, mas ainda só conseguimos ganhar 0,5s em Phillip Island. Levámos muitos pneus de qualificação esta semana e recolhemos dados muito importantes para as nossas equipas resolverem o problema no GP deste ano."

"Não estou nada preocupado com os resultados deste ano, na verdade, tenho ficado positivamente surpreendido com a performance dos nossos pneus em Sepang e Phillip Island. Conseguimos utilizar o teste desta semana na Austrália para confirmar os resultados iniciais da Malásia numa altura em que começamos a determinar com maior exactidão o rumo do desenvolvimento para a próxima temporada. Não fazemos testes de pneus com as nossas equipas partindo do princípio que tudo vai correr bem. Por vezes conseguimos ainda mais progressos quando nos deparamos com uma coisa que não funciona tão bem, por isso estamos gratos pelo apoio que as nossas equipas nos têm dado durante esta crucial fase de testes. Temos mais duas formações para esta época, por isso vamos conseguir recolher mais dados dos testes e esperamos que nos permita ser ainda mais consistentes e competitivos durante esta temporada, mais que em qualquer outra altura."

Com a igualdade das máquinas de 800cc nesta fase inicial, os pneus podem ser factor crucial entre as equipas. A Bridgestone fornece borrachas a cinco formações na grelha de MotoGP e a intenção é não favorecer nenhuma delas.

"Temos orgulho em dar pneus de forma justa a todas as nossas equipa em todos os momentos. Um pneu que funciona numa moto pode não o fazer tão bem noutra, por isso fazemos as nossas borrachas à medida de cada piloto. Os dados que têm sido recolhidos ao longo destes testes de Inverno têm-nos permitido identificar áreas para a melhoria individual em cada equipa, seja através da afinação dos pneus para trabalharem melhor com a afinação da moto ou com o estilo de pilotagem", concluiu Yamada.

Tags:
MotoGP, 2007

Outras actualizações que o podem interessar ›