Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Denning: `Temos de ser mais competitivos na primeira corrida´

Denning: `Temos de ser mais competitivos na primeira corrida´

O patrão da Rizla Suzuki Paul Denning conversou com o motogp.com sobre o trabalho que a sua equipa tem levado a cabo para preparar o início do Campeonato do Mundo de MotoGP de 2009.

Paul Denning fala do que espera de Loris Capirossi, Chris Vermeulen, da Rizla Suzuki e do protótipo de 2009 da Suzuki GSV-R800 que ainda está a sofrer desenvolvimentos.

P. `O que é que a Suzuki desenvolveu durante a paragem de Inverno, tendo por base os dados dos testes de Novembro no túnel de vento e em Phillip Island?´
R. `A sensação de todos foi que melhorámos muito a moto nesse mês entre a última corrida e o último teste de 2008, já que o tempo permitiu a implementação de certos materiais, o que foi muito bom. A fábrica melhorou muito as características do motor no teste de Phillip Island, mas o objectivo principal depois desse teste encontrar mais performance geral, foi esse o centro das nossas atenções durante o Inverno. Não temos dados muito conclusivos da pista porque o Inverno no Japão não permite que os testes de pista sejam uma verdadeira possibilidade, mas os dados que temos parecem promissores quando comparados com os de 2008. Vamos fazer figas, esperamos bons resultados nos próximos testes de Sepang (Malásia) e de Losail (Qatar).´

P. `Que pedidos de alterações foram feitos pelos pilotos para a moto de 2009?´
R. `Ter mais garra. Eles ficaram mesmo muito contentes com as melhorias apresentadas em Phillip Island, em Novembro, isto em termos de estratégias de controlo, entrega de potência e controlo da potência nos regimes baixo e médio do motor. Eles estão muito contentes com os progressos feitos e esperam agora dar os próximos passos para uma melhoria de prestações. Se o conseguirmos encontrar creio que a moto tem boas possibilidades de ser muito competitiva.´

P. `O Casey Stoner comentou recentemente que quatro dias de teste em pista eram suficientes para se adaptar à moto. Do ponto de vista de uma equipa, achas que há tempo suficiente de testes para a Suzuki dar o necessário passo em frente?´
R. `Depende de quão boa estará a moto no primeiro dia de testes em Sepang. Se alguma equipa estiver com dificuldades no final de Janeiro, então a resposta é não, não há testes suficientes antes da primeira corrida. Por isso, espera-se que os passos lógicos levados a cabo do final de Novembro até Janeiro, início de Fevereiro, apresentem dividendos. Se houver uma base sólida por onde começar o trabalho não é um grande problema. Penso que, do ponto de vista dos pilotos, estes são os melhores do mundo. No final de 2007, quando o Loris passou a correr com a nossa moto pela primeira vez em Valência conseguiu logo um tempo muito bom na primeira ida para a pista, penso que foi logo mais rápido que com a Ducati no fim-de-semana anterior. Por isso, a qualidade dos pilotos vai permitir que se encontrem os limites da moto com relativa rapidez, o que me leva a dizer que o Casey tem razão. A história torna-se diferente se surgir um problema fundamental para resolver.´

P. `Os directores desportivos e engenheiros têm dado as suas opiniões sobre como reduzir custos no MotoGP. Quais são as medidas com as quais a Suzuki concorda e discorda?´
R. `Temos de discutir as coisas novamente com muito cuidado durante o teste de Sepang na próxima semana. Há um consenso geral para a necessidade da redução de custos. Não é um desejo, é uma necessidade fundamental para salvaguardar o futuro do campeonato. Algumas das medidas de curto prazo que já foram sugeridas não vão ser muito efectivas, mas podem ser uma pequena ajuda. O mais importante é que os construtores, a Donra, a IRTA, estão a olhar para as coisas do ponto de vista do promotor, numa perspectiva organizacional, numa perspectiva de equipa privada e aí por diante, todos os factores têm de ser considerados em termos de prioridade e são necessárias grandes mudanças, as pequenas não tanto. Penso que terão de surgir mudanças fundamentais para se conseguir uma boa redução de custos, para que o processo de decisão dos construtores e equipas seja mais fácil para se participar e tornar mais atractiva a entrada de mais motos e a expansão do campeonato no futuro. Esse tem de ser o objectivo último.´

P. `Quais são as tuas expectativas para os vossos pilotos e para a Suzuki em 2009?´
R. `Espero que sejamos melhores que no ano passado e que voltemos aos níveis de 2007, altura em que conseguíamos rodar com o grupo da frente com mais regularidade. Penso que temos pilotos para o fazerem e penso que o conjunto da moto estará mais próximo dos nossos concorrentes no início de 2009 do que aquilo que aconteceu no ano passado. Não temos expectativas muito grandes e não queremos estabelecer objectivos que depois levem a alguma desilusão nossa caso não os consigamos atingir. Mas temos como meta sermos muito mais competitivos nas primeiras corridas esta época que em 2008.´

Tags:
MotoGP, 2008, Rizla Suzuki MotoGP

Outras actualizações que o podem interessar ›