Compra de bilhetes
VideoPass purchase

A época até ao momento: Jorge Lorenzo

A época até ao momento: Jorge Lorenzo

Jorge Lorenzo, da Fiat Yamaha, já se tornou no grande rival do seu companheiro de equipa e Campeão do Mundo Valentino Rossi.

Jorge Lorenzo tem sido uma alegria de ver este ano, partindo para todas as corridas da primeira linha, levando o seu lendário companheiro de equipa Valentino Rossi até aos limites e passando à frente de Casey Stoner e Dani Pedrosa na classificação naquela que é apenas a sua segunda campanha na categoria rainha.

O espanhol começou a temporada com um sólido terceiro lugar na corrida nocturna de segunda-feira no Circuito Internacional de Losail, atrás de Stoner e Rossi, depois de partir de terceiro da grelha.

Contudo, não demorou muito a assinar a primeira vitória do ano no Polini Grande Prémio do Japão. Uma vez mais partindo de terceiro da grelha, Lorenzo assinou a segunda vitória da carreira na categoria rainha com dois segundos de margem sobre o ilustre companheiro de equipa de Rossi para se colocar na frente da classificação.

Chegando a Jerez, Lorenzo disse que a prestação perante os fãs espanhóis na Andaluzia era o bastante para garantir a vantagem suficiente e arriscar tudo para vencer, mas quando caiu a cinco voltas do fim, quando tentava apanhar Stoner na terceira posição, sofreu duro golpe. Principalmente porque o maiorquino festejou o 22º aniversário no dia seguinte ainda a pensar no acidente.

A muito confiante estrela da Yamaha respondeu logo duas semanas depois em França, ao avaliar na perfeição a corrida molhada e seca e cruzando a meta em primeiro, enquanto Rossi foi 16º. Lorenzo voltava assim ao topo da classificação.

Stoner assumiu a primeira posição com a brilhante vitória para a Ducati em Mugello na corrida seguinte, isto enquanto Lorenzo foi segundo, à frente de Rossi que foi batido pela primeira vez no traçado desde 2001.

O que surge a seguir será lembrada como uma das melhores corridas dos últimos ano. Lorenzo largou da pole com Rossi logo atrás de si em segundo e a dupla da Yamaha levou a cabo grande batalha ao longo da corrida, com o detentor do título de MotoGP a necessitar de toda a sua experiência para levar a melhor sobre Lorenzo na última curva para garantir uma das suas maiores vitórias.

Em Assen não foi tão disputado com Lorenzo a fazer fraca partida para a corrida depois de se ter qualificado em terceiro e não conseguiu reduzir a diferença para o vencedor Rossi. Mais uma vez, um segundo lugar atrás daquele que é visto como o melhor piloto da história, o que não pode ser visto como um mau resultado.

De regresso ao palco da espectacular queda na primeira volta em 2008, Lorenzo esteve agora muito melhor no Red Bull GP dos Estados Unidos, cruzando a meta em terceiro, atrás de Pedrosa e Rossi na sua segunda corrida na traiçoeira pista de Laguna Seca. Ele tinha-se lesionado no ombro com mais um acidente na qualificação, mas apesar das dores os seus tempos por volta não foram afectados.

Mais um grande batalha com Rossi em Sachsenring, que voltou a durar até à última volta e terminou de novo com Lorenzo em segundo, fez com que The Doctor chegasse a uma margem de 14 pontos na frente do jovem rival quando o MotoGP chegou a Donington Park para a última corrida na pista.

Em condições escorregadias na pista britânica Lorenzo foi apanhado pela chuva e caiu quando liderava a corrida e, apesar de Rossi não ter ido além de quinto – depois de também ter caído e voltado à prova, haveria ainda pior para vir em Brno. Lorenzo caiu e voltou a desistir na República Checa o que levou a Rossi a uma vantagem de 50 pontos.

Game over? Ainda não... Lorenzo respondeu de imediato com mais uma grande prestação em Indianápolis onde Rossi teve a primeira desistência de 2009 e a diferença voltou aos 25 pontos a cinco jornadas do fim.

Com Rossi a ser batido em Mugello no início da época pela primeira vez em sete anos, era talvez inevitável que levasse a melhor em Misano, mas Lorenzo manteve a pressão ao garantir o seu quinto segundo lugar na actual campanha. Na verdade, tirando as suas desistências em Jerez, Donington e Brno, todos eles na sequência de luta pela liderança ou pelo mais baixo do pódio, Lorenzo terminou entre os três primeiros em todos os outros Grandes Prémios deste ano.

Foi anunciado antes do seu triunfo em Indianápolis que Lorenzo vai continuar com a Fiat Yamaha como companheiro de equipa de Rossi no próximo ano, isto apesar de anunciadas ofertas por parte de equipas rivais, e ainda tem quatro corridas em 2009 para tentar anular os 30 pontos de diferença que tem para o italiano.

Tags:
MotoGP, 2009, Jorge Lorenzo, Fiat Yamaha Team

Outras actualizações que o podem interessar ›