Compra de bilhetes
VideoPass purchase

À conversa com Wilco Zeelenberg

À conversa com Wilco Zeelenberg

O manager da equipa de Jorge Lorenzo fala do seu passado ao motogp.com e de quais os seus objectivos para o piloto espanhol para a primeira temporada em conjunto.

Uma das novas caras no paddock de MotoGP para a época de 2010 será o holandês Wilco Zeelenberg, que assume o controlo do lado da box de Jorge Lorenzo na Fiat Yamaha.

Zeelenberg veio da estrutura de Supersport da Yamaha, com quem venceu o Campeonato do Mundo de 2009 com o britânico Cal Crutchlow, e é um piloto com experiência. A carreira, que se estende desde os finais dos anos 80 até 1995 no Campeonato do Mundo, viu Zeelenberg competir nas 250cc, somando 11 pódios e uma vitória em quase 100 corridas.

“É claro que foi uma pena deixar a Supersport, mas é um grande desafio lutar na mais prestigiada categoria do motociclismo, no MotoGP. O Jorge é um piloto fantástico e estou desejoso por esta nova época,” explicou Zeelenberg. “Há sempre pressão para se obter bons resultados e apresentar boa prestação, pelo que estou habituado a isso desde os meus três anos porque foi nessa altura que comecei a correr! Não sinto a pressão.”

Sobre o regresso ao cenário do Campeonato do Mundo como Director Desportivo Zeelenberg acrescentou: “Deixei este paddock há uns 15 anos, talvez, e agora, no regresso ao paddock de MotoGP, vejo muitas caras do passado em cada box, algumas delas que conheço. Por isso é bom estar de volta.”

Falando dos objectivos para a campanha que se aproxima com Lorenzo, Zeelenberg disse do vice-Campeão do Mundo de MotoGP de 2009: “Ele é um jovem muito motivado e concentrado e penso que isso é uma das grandes vantagens dele. Não temos de o motivar, ele está sempre desejoso por ganhar. Penso que as primeiras três ou quatro corridas da época serão muito importantes — apresentar boas prestações e não cometer erros. O Valentino é um piloto muito experiente e vai tirar vantagem de todos os erros dos outros pilotos. Creio que os mais jovens vão dar mais luta quando cometerem um erro e creio que isso vai levar a mais erros. O Jorge sabe que pode bater qualquer rival quando está tudo correcto, mas ele também tem de compreender que se nem tudo estiver perfeito para a corrida vai ter de dar tudo na mesma para terminar no pódio.”

Ele continuou: “Penso que o Jorge precisa de alguém que acredite nele porque a equipa tem bom pilotos. Creio que precisamos de nos concentrar nele e o Jorge tem dez pessoas que estão mesmo a trabalhar para ele e acho que temos de lhe mostrar isso. Se assim for, creio que será capaz de rodar com todo o seu potencial e isso vai ajudá-lo ao longo da época. É preciso apresentar boas prestações na altura certa e temos de tomar a decisão certa quando as coisas não estão a 100%.”

Trazendo fortes conhecimentos técnico para a afinação de Lorenzo com a sua anterior experiência numa moto, Zeelenberg disse o que pensa da versão 2010 do protótipo da YZR-M1.

“A base é muito semelhante (a 2009), pelo que penso que temos uma vantagem com isso. Podemos usar as afinações do ano passado a cada pista a que vamos. Isto faz com que cheguemos a uma pista em que ganhámos no ano passado e começar logo com uma base e sabendo o que temos de ajustar quando chegamos a um circuito onde tivemos problemas.”

Concluindo, Zeelenberg afirmou o que pensa sobre a nova regra de restrição de seis motores a usar nas 18 jornadas do Campeonato do Mundo de MotoGP de 2010.

“A regra dos seis motores é importante,” acrescentou. “Já todos se concentraram nesse assunto durante o Inverno, pelo que é um segredo dizer o que aconteceu! Mas é claro que essa era a maior prioridade da fábrica.”

Tags:
MotoGP, 2010, Jorge Lorenzo, Fiat Yamaha Team

Outras actualizações que o podem interessar ›