Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Conforto e confiança crescem para Nicky Hayden

Conforto e confiança crescem para Nicky Hayden

O piloto Ducati Marlboro fala do início da sua segunda época com a equipa de fábrica, e o americano sente-se mais seguro em relação a várias coisas em 2010.

A demonstração de Nicky Hayden na primeira ronda da época de 2010, o Commercialbank Grande Prémio do Qatar, foi prova evidente que o piloto da Ducati Marlboro está em boa forma nesta nova campanha depois de ter terminado em quarto após grande luta pelo mais baixo do pódio e que só perdeu em cima da linha de meta.

O americano mostrou o seu contentamento com a nova Desmosedici GP10 depois da corrida e agora diz que se sente muito mais confortável na máquina depois de inicia a segunda época com a Ducati de fábrica.

“Sinto-me muito mais confortável nela e também com a equipa. É o segundo ano com a equipa depois de muito tempo com a Honda,” disse Hayden. “Foi uma grande mudança no ano passado e não me adaptei da forma que queria, mas este ano as coisas parecem estar muito melhor. A comunicação com a equipa é muito melhor que no ano passado e gosto da moto.”

Hayden continuou: “Diria que o motor é mais suave e tem melhor comportamento quando se puxa pela potência e acelera à saída das curvas. Agora tenho de ser mais rápido durante todo o fim-de-semana logo desde sexta-feira, mesmo nas pistas onde não tivemos dois dias de testes, como tivemos no Qatar. É um dos meus objectivos este ano, melhorar esse ponto. Creio que vou ver se o consigo fazer em Jerez.”

A discussão de Hayden sobre o conforto que sente agora no segundo ano com a Ducati tem algo a ver com os métodos de trabalho. Ele e o companheiro de equipa Casey Stoner trabalharam em grande proximidade, partilhando informação e ajudando-se mutuamente.

“Algumas coisas que funcionam com ele não funcionam comigo,” disse Hayden. “Mas há outras alturas em que ele surge com coisas que funcionam, mesmo comigo. Com o pouco tempo de pista que temos este ano e no ano passado usamos todas as informações a que temos acesso.”

É um processo que se estende também às equipas satélite da Ducati, como Hayden acrescentou: “Partilhamos dados e tudo o que cremos. Para crédito deles, é um livro aberto. Mesmo entre o chefe de equipa do Mika Kallio (Pramac Racing) até ao do Héctor Barberá (Páginas Amarillas Aspar), eles trabalham todos a partir do mesmo camião. Estamos todos a jogar pela mesma marca, a tentar bater os outros construtores. Não há segredos.”

A promoção de Vittoriano Guareschi a Director Desportivo, que ainda continua a desempenhar papel de piloto de Testes, também foi um factor positivo, diz Hayden.

“O Vito tem feito um trabalho fantástico até ao momento e fiquei mesmo impressionado com algumas coisas que ele fez. Tenho sido um apoiante dele desde o início. Muitas pessoas pensaram que ia ser demais para um tipo sem experiência nesse papel. Até agora foi um bom início e penso que ele é uma grande mais-valia para a nossa equipa. Creio que temos um bom conjunto.”

Com o evoluir da época a regra dos seis motores por piloto vai também desempenhar um papel na forma como cada equipa gere a sua campanha. Hayden tocou o assunto e falou da forma como a Ducati se preparou, isto depois de ter usado por breves momentos um segundo motor no Qatar.

“A equipa tem um plano para isso,” disse. “Em alguns fins-de-semana vou usar as duas motos, mas no Qatar já lá tínhamos testado; já tínhamos uma boa afinação. Na verdade, só tinha uma moto a funcionar bem e nunca andei com a outra, a não ser no início de domingo. Foi apenas para fazer uma volta e ter a certeza que rodava bem caso precisasse de trocar para ele por qualquer motivo. Mas vamos usar as duas motos na maior parte do circuitos com frequência.”

Tags:
MotoGP, 2010, Nicky Hayden, Ducati Team

Outras actualizações que o podem interessar ›