Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Jorge Lorenzo: “Podemos celebrar como se fossemos os donos do mundo”

Jorge Lorenzo: “Podemos celebrar como se fossemos os donos do mundo”

Numa entrevista exclusiva ao motogp.com depois de ter garantido o título do Campeonato do Mundo de 2010 na Malásia, no domingo, o piloto da Fiat Yamaha falou sobre o seu feito.

Imediatamente depois de se consagrado Campeão do Mundo de 2010 com o terceiro lugar em Sepang, no domingo, Jorge Lorenzo, foi entrevistado em exclusivo pelo motogp.com e pode agora ver o que o piloto da Fiat Yamaha disse sobre o título no vídeo em anexo.

Em baixo, pode também ler a transcrição da entrevista ao piloto de 23 anos, feita depois de se ter tornado no segundo espanhol da história a ser Campeão do Mundo de MotoGP.

“Quando se pensa muito numa coisa e depois ela acontece é sempre diferente do que esperavas. É uma sensação fantástica saber que somos os Campeões, a melhor equipa e que eu sou o melhor piloto de todo o planeta. De certeza que é apenas por este ano, mas agora podemos comemorar isso como se fossemos os donos do mundo”, disse Lorenzo, quando começou a ter consciência do que tinha acabado de conseguir.

“Não consegui sentir muito devido à tensão. A pressão, o cansaço físico, não me ajudaram muito a expressar a minha emoção e a sentir tudo. Mas, este é um momento de glória que eu tenho de aproveitar cada minuto, segundo e hora, e ficar com boas memórias”.

Sobre ter estado nervoso antes da primeira oportunidade de assegurar o título na corrida de domingo, ele disse: “Sim, estava um pouco. Não vou mentir! Senti um nervoso diferente das corridas normais, mas estou orgulhoso da minha partida, porque foi boa, e também pela forma como corri – não foi a melhor corrida da minha carreira, mas de qualquer forma foi boa para a situação. Não pude lutar pela vitória com o Andrea e o Valentino principalmente porque tinha muito a perder e uma coisa muito, muito grande para ganhar”.

“Tentei não pensar muito sobre os pontos e o Campeonato e o facto de estar perto de acontecer. Mas, é impossível não pensar nisso. Pensas e quando olhas para a luz vermelha esqueceste-te de tudo e pensas apenas na corrida”.

Houve momentos de preocupação para Lorenzo e para a sua equipa antes do início da corrida, quando descobriram uma problema no arranque da moto. “Foi um momento difícil, pensei que a moto não ia arrancar para a corrida”, explicou. “Tínhamos a outra moto pronta para a chuva, por isso não a podíamos utilizar. Finalmente, acabámos por descobrir o problema, que não era na moto, mas no motor de arranque (externo) da roda traseira. Tirámos o motor de arranque da moto do Valentino e funcionou e conseguimos fazer a corrida”

Depois de partir da pole e terminar em terceiro na corrida, Lorenzo também falou sobre ter evitado a luta pela vitória: “Primeiro, já há muito tempo que não tinha uma pole, depois sabíamos que seria quase impossível lutar pela vitória. Por outro lado, mostrei que em condições normais eu podia ter continuado a rodar muito mais rápido”.

Em relação à emocionante luta com Valentino Rossi na ronda anterior, no Japão, Lorenzo afirmou: “Não falámos muito, porque eles (a equipa) perceberam que existiram momentos de tensão e alguma pressão. Se o título mundial não pudesse acontecer aqui na Malásia, podia acontecer na Austrália ou nas corridas seguintes, mas também havia a possibilidade de me aleijar. Por isso, tínhamos de fazer a corrida, fazer 20 voltas e terminar a corrida”.

Quanto à reacção do seu adversário ao facto de ter conseguido o título, Lorenzo acrescentou: “Ele foi simpático em oferecer-me um abraço e eu recebi-o. Também no pódio ele deu-me a mão, foi um senhor”.

“Quero agradecer a muitas pessoas, mas em especial ao meu pai, que me meteu no motociclismo e me ensinou quase tudo o que sei sobre motos. À minha mãe que me adora e sofre muito a ver as minhas corridas! Também à minha irmã Laura, à a toda a minha equipa, aos homens que trabalham todos os fins-de-semana para que eu tenha a melhor moto. Aos directores de equipa que eu tive no passado, Giampiero Sacchi, Dani Amatriain, e agora Lin Jarvis, que é uma pessoa chave na minha carreira. E, claro, aos meus fans – os Spartans, que apreciam o que tenho de bom, mas também percebem as coisas más!”

Uma celebração única que envolveu a personagem dos jogos de computador Mário, seguiu-se à confirmação de Lorenzo como Campeão. E, ele explicou a ideia que teve.

“Em teoria, eu não queria celebrar, porque o importante era o Campeonato e eu não queria fazer nada para eclipsar isso. Mas, no Japão tivemos esta ideia do Mário e do Luigi e hoje, à ultima hora, tivemos a ideia do sinal de ‘Game Over’. Tudo aconteceu depressa demais e no final foi uma boa celebração. Talvez possamos fazer uma t-shirt de ‘Game Over’ para os fans do Lorenzo em Valência”, concluiu.

Tags:
MotoGP, 2010, SHELL ADVANCE MALAYSIAN MOTORCYCLE GRAND PRIX, Jorge Lorenzo, Fiat Yamaha Team

Outras actualizações que o podem interessar ›