Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Hayden e Rossi fazem avanços no último dia

Hayden e Rossi fazem avanços no último dia

Os pilotos da Ducati Team terminaram entre os dez primeiros no terceiro e último dia do Teste de Sepang, dando por terminado a primeira sessão de trabalho e avaliação da GP11 em pista.

Valentino Rossi revelou-se muito satisfeito com os progresso feitos com a afinação da GP11, o que lhe permitiu baixar o seu melhor tempo em sete décimos em comparação com o dia de ontem. Apesar de estar limitado pela lesão no ombro, o italiano mostrou-se também contente com os progressos físicos conseguidos e com o trabalho efectuado pela sua equipa.

Nicky Hayden também melhorou em cada um dos dias e está desejoso por ver os frutos do trabalho no próximo Teste, que volta a levar os pilotos a Sepang de 22 a 24 de Fevereiro.


 


Nicky Hayden, 8º, 2m01,534s (60 voltas):

“É muito bom estar aqui e voltar a rodar com a moto. Tivemos três importantes dias com muito trabalho. É claro que não gosto de ainda estar tão longe dos líderes, mas reduzimos a margem todos os dias. Hoje parecia que podia chover a qualquer momento, pelo que fizemos muitas voltas de manhã e encontrámos coisas de que gostámos. Andámos atrás das vibrações, o que nos fez perder muito tempo para descobrirmos o que se estava a passar. No ano passado foi um problema que só tivemos nesta pista. Não o queremos em nenhuma, mas poderia ser um problema que não tivesse nada a ver com a GP11 e apenas com este circuito. Também testámos alguns pneus para a Bridgestone e demos-lhes algumas informações que podem ajudar mais à frente. Sabemos que ainda temos muito a fazer e isso começa pelo piloto. Quando voltarmos vamos continuar a reduzir a diferença para a frente.”





Valentino Rossi, 10º, 2m01,842s (52 voltas):





“Estou muito contente porque antes de vir para aqui esperava fazer 20 a 30 voltas por dia e, no final de contas, fiz cerca de 40 em cada um dos dois primeiros dias e hoje fiz mais de 50. É claro que estava mesmo acabado no final, em parte porque o resto do meu corpo teve de trabalhar de forma diferente; o meu braço esquerdo fez trabalho extra, pelo que estou muito cansado. Mas estou mesmo contente com o meu ombro porque melhorou a cada dia e mesmo depois do stress causado por rodar com uma máquina de MotoGP ao limite não tive problemas; agora é apenas uma questão de força. A minha mobilidade melhorou muito e já não creio que a minha condição física me custe um segundo; digamos que perco cinco ou seis décimos, especialmente na travagem à entrada em curvas. De todas as formas, trabalhámos bem hoje e conseguimos reunir muitos dados e resolver o problema de vibrações que tivemos. É claro que ainda há muito a fazer, mas em comparação com o início do Teste é muito claro que estamos mais perto da afinação base que estamos à procura. Não vale a pena mudar o carácter da Demosedici; temos de tirar partido das suas melhores características – estabilidade e motor – e melhorar noutras áreas, especialmente o comportamento em curva, para a fazermos virar melhor. Em qualquer dos casos, a avaliação geral do Teste é claramente positiva; hoje rodámos a um segundo da frente e também durante a tarde, com pneus de corrida, a distância manteve-se em cerca de sete o oito décimos. Ainda tenho de fazer mais quilómetros para compreender outros aspectos da GP11, mas apesar de ter de mudar um pouco o meu estilo de pilotagem, agora sinto-me muito mais em casa na Ducati.”

Comunicado de imprensa Ducati Team

Tags:
MotoGP, 2011, Valentino Rossi, Nicky Hayden, Ducati Team

Outras actualizações que o podem interessar ›