Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Trio da Repsol Honda encantado com forte Teste

Trio da Repsol Honda encantado com forte Teste

Casey Stoner, Dani Pedrosa e Andrea Dovizioso ficaram muito contentes com a forma positiva como correram os três dias de Testes em Sepang.

O último dia de Sepang foi palco de impressionante demonstração de velocidade pelos três pilotos da Repsol Honda. Dez minutos após a abertura da pista para o último dia de trabalho Casey Stoner, na sua primeira volta lançada, assinou um tempo de 2m00,122s – cinco décimos de segundo mais lesto que o seu melhor registo do segundo dia. Contudo, na volta seguinte Stoner assinou um tempo abaixo dos dois minutos, 1m59,665s, quase um segundo mais rápido que o recorde da pista, que remontava a 2009, e que se manteve inalterado até ao final da sessão.

Cerca de 15 minutos depois deste impressionante feito, Dani Pedrosa também se destacou na tabela de tempos ao garantir uma marca de 1m59,803s, fazendo com que fossem dois os pilotos da Repsol Honda a liderar a tabela de tempos. O terceiro piloto da equipa de fábrica, Andrea Dovizioso, foi quarto com 2m00,541s, também ele a assinar a sua marca nos primeiros 45 minutos do dia.

Após a sessão de qualificação virtual as equipas regressaram ao programa de testes normal. Stoner passou o dia a trabalhar no sistema de gestão do motor e levou a cabo a última comparação de chassis, optando pela direcção a seguir com vista ao Teste do Qatar de 13 a 14 de Março. Pedrosa também trabalhou no mapeamento do motor e depois na suspensão, ainda durante a manhã. Na parte da tarde concentrou-se numa tirada longa, se bem que não se tratou de uma simulação de corrida. Dovizioso fez mais comparações de chassis, alterações de geometria e testou novos acertos de electrónica com vista a ajudar a entrada em curva e durante a tarde também levou a cabo uma tirada longa.

Casey Stoner, 1º:

"Tivemos um bom dia, a comparar, de novo, os chassis, e estou contente com a decisão que tomámos em relação ao que vamos usar durante o resto da época. Também testámos muita electrónica, com travagem de motor, e encontrámos melhoramentos em algumas áreas, e perdas noutras, pelo que temos de rectificar estar. O chassis que escolhemos comporta-se sempre da forma que queremos, independentemente da afinação que usamos e também somos capazes de o adaptar com facilidade. Por isso, quando formos para o Qatar dentro de algumas semanas seremos capazes de testar afinações ao mesmo tempo e ter mais tempo de pista. Algumas alterações podem levar muito tempo a ser feitas, pelo que ter duas motos com chassis idêntico vai ser útil. O teste aqui foi muito produtivo para nós, fizemos uma tirada longa hoje – quase a distância de corrida – e recolhemos informações muito importantes. Sinto cada vez mais confortável com a RC212V e estou desejoso por chegar ao Qatar.”

Dani Pedrosa, 2º:

"Tivemos três dias de testes muito bons; ambos os ensaios aqui em Sepang foram muito positivos. Melhorámos a travagem e trabalhámos muito com diferentes configurações de chassis e electrónica. Foi um teste de Inverno muito melhor que o do ano passado, mesmo sabendo que todos vão melhorar para a primeira corrida. Deixo Sepang satisfeito e penso que o teste no Qatar nos vai dar mais uma oportunidade para verificar o nosso trabalho noutro circuito, com traçado e condições de pista diferentes das que tivemos aqui. Passei mais ou menos o mesmo tempo com o chassis do ano passado e com a versão 2011 e a minha melhor volta foi com o deste ano, mas será bom voltar a verificar tudo no Qatar e tomar a decisão final lá. Creio que a moto e eu estamos em muito boa forma e vamos para o Qatar mais confiantes que no ano passado, mas temos de manter os pés na tera porque tivemos muitos problemas no início da época passada e depois melhorámos muito, pelo que o mesmo se pode passar com os outros. Nada está claro até ao início das corridas.”

Andrea Dovizioso, 4º:

"O aspecto positivo é que estamos mesmo rápidos e ter os dois primeiros testes assim é muito bom. Também fomos rápidos na simulação de corrida, o que confirmou que estamos fortes e que podemos lutar. Contudo, depois de completar a simulação de corrida descobri um problema com a frente – como o que tive nas corridas em – depois de algumas voltas perdi aderência a meio da curva. Deixo este teste contente, mas sei que não foi perfeito, temos de saber que mudança causou o problema, já que aconteceu depois de acrescentarmos apenas mais cinco litros de combustível. De todas as formas, mesmo com estes problemas completei muitas voltas rápidas e estamos muito bem em comparação com o ano passado. Creio que sem o problema que tive na frente da moto teria sido capaz de apresentar um ritmo semelhante ao do Dani e do Casey, o que me deixa contente.”

Comunicado de imprensa Repsol Honda

Tags:
MotoGP, 2011, Dani Pedrosa, Andrea Dovizioso, Casey Stoner, Repsol Honda Team

Outras actualizações que o podem interessar ›