Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Crutchlow falha corrida em casa após queda na qualificação

Crutchlow falha corrida em casa após queda na qualificação

O piloto da Monster Yamaha Tech 3 sofreu queda e fracturou a clavícula durante a qualificação para o AirAsia British Grand Prix, enquanto o seu companheiro de equipa Colin Edwards – que sofreu lesão idêntica na semana passada – qualificou-se em oitavo.

A Monster Yamaha Tech 3 Team viu-se hoje afectada por mais uma lesão, desta feita é Cal Crutchlow que não vai alinhar na corrida de MotoGP, em Silverstone, devido a fractura na clavícula. O favorito do público da casa estava a começar a sua terceira volta na qualificação desta tarde quando perdeu o controlo da sua YZR-M1 da Monster Yamaha Tech 3 Team à entrada da Curva 2.

Ele caiu com força e desamparado sobre o ombro esquerdo e foi avaliado de imediato na pista pelo pessoal médico antes de ser transferido para o Centro Médico de Silverstone. O piloto viu ser-lhe diagnosticadas uma fractura na clavícula e contusão. A queda, infelizmente, vai impedir Crutchlow de alinhar no AirAsia British Grand Prix de amanhã e vai começar desde já um período de descanso para recuperar a forma antes da próxima jornada do Campeonato do Mundo de MotoGP de 2011 em Assen, Holanda.

A lesão de Crutchlow surge apenas oito dias depois do companheiro de equipa Colin Edwards ter fracturado a clavícula direita numa queda durante os treinos para a corrida da Catalunha. O americano passou o exame médico em Silverstone e apresentou prestação heróica esta tarde para garantir brilhante oitava posição da grelha. Edwards lutou contra as dores persistentes provocadas por uma costela que também lesionou na queda de Barcelona e assinou como melhor marca o tempo de 2m04,508s para terminar à frente de vários pilotos em muito melhor condição física.

Colin Edwards:
“O ombro está bom, mas as costelas estão a maltratar-me muito e são o maior problema de momento. Sinto-me fisicamente pior que ontem, mas quando caí na Catalunha fiz uma ruptura muscular nas costelas e estou a ter dificuldades para fazer o que quer que seja. Se respiro, tusso, espirro, o que quer que seja, dói-me. Por isso, não tenho força suficiente para virar a moto nas mudanças de direcção rápidas. Tenho de levar o meu tempo e ser suave, mas tendo em conta que na semana passada a esta hora estava na cama do hospital em Barcelona com a clavícula feita em pedaços, terminar na terceira linha é muito bom. Estou confiante para a corrida, mas sei que vai ser um grande esforço. Seja como for, vou cerrar os dentes e dar o meu melhor, como sempre, e mostrar que ainda tenho muita luta a dar. Estava determinado a participar nesta corrida pela equipa. O meu pessoal na Monster Yamaha Tech 3 são espectaculares e deram-me grande apoio ao longo destes anos. É por isso que quero correr e ter um bom resultado, por eles mais que tudo. Tenho pena do Cal. Infelizmente sei o que ele está a passar e tenho muita pena dele por não correr. Desejo-lhe rápidas melhoras e espero vê-lo de novo a dar-me trabalho na pista em Assen.”

Herve Poncharal – Director Desportivo:
“A lesão do Cal é uma grande desilusão e tenho muita pena dele porque estava mesmo apostado num bom resultado em casa, em Silverstone. Ele foi rápido durante todo o fim-de-semana, pelo que tinha justificadas esperanças num bom resultado na qualificação e em lutar pelos seis primeiros na corrida. Mas as condições da pista estavam muito frias, o que era bem patente nas imagens de televisão. Neste momento, ele está com dores, mas penso que está mais aborrecido que outra coisa qualquer porque queria fazer uma boa prestação para os fãs britânicos. Parece que a sorte nos abandonou por completo, basta pensar na fractura da clavícula do Edwards há uma semana. Suponho que a única consolação para o Cal é o facto do Colin estar de volta à moto menos de uma semana depois, pelo que estamos optimistas em relação ao seu regresso em Assen. O Colin fez um esforço sobre-humano para se qualificar na terceira linha e mostrou grande coragem e determinação; tem sido uma inspiração para toda a equipa. A dada altura chegou a parecer que podia mesmo ter terminado nos seis primeiros, o que teria sido um grande prémio para ele e para a equipa.”

Tags:
MotoGP, 2011, AIRASIA BRITISH GRAND PRIX, Colin Edwards, Cal Crutchlow, Monster Yamaha Tech 3

Outras actualizações que o podem interessar ›