Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Nicky Hayden testa o repavimentado circuito de Indianapolis

Nicky Hayden testa o repavimentado circuito de Indianapolis

O Campeão do Mundo de MotoGP de 2006, Nicky Hayden, foi o primeiro a avaliar o novo asfalto da Indianapolis Motor Speedway em preparação para o Red Bull Grande Prémio de Indianapolis de 2011, de 26 a 28 de Agosto na IMS.

A quarta edição do Red Bull Grande Prémio de Indianapolis vai contar com a presença dos melhores motociclistas do mundo, incluindo Valentino Rossi, Jorge Lorenzo e Dani Pedrosa, bem como das melhores estrelas americanas Colin Edwards e Ben Spies, que vão rodar ao longo das 16 curvas da IMS a velocidades na ordem dos 320 km/h.

Vencedor de três corridas de MotoGP, Hayden venceu o Campeonato do Mundo de MotoGP de 2006 e conta com um total de seis segundos lugares na carreria, cinco poles e seis voltas mais rápidas. Conhecido como ‘Kentucky Kid’, Hayden nasceu e vive em Owensboro e considera a Indianapolis Motor Speedway a pista caseira. Nas edições anteriores do Red Bull GP de Indianapolis Hayden terminou em segundo lugar em 2008, terceiro em 2009 e sexto em 2010.

Hayden fez uso de uma Ducati 1198 de estrada para um teste matinal a 5 de Agosto no recentemente repavimentado traçado da IMS. A partir de 9 de Junho deste ano uma série de equipas colocou novo pavimento ao longo de 2,4 km/h, da Curva 5 à 16. O asfalto actual foi retirado e substituído por asfalto novo para criar uma superfície consistente com as outras partes da pista. A FIM inspeccionou e aprovou a secção de novo pavimento do traçado a 7 de Julho. Segue-se agora um conjunto de perguntas e respostas com Nicky Hayden.

Agora que experimentaste o novo piso a IMS, o que pensas?

O novo piso é o que esperava, perfeito. Há algumas curvas que os pilotos pediram para serem revistas a IMS foi além disso e colocaram novo pavimento em toda a zona interior desde a Curva 5; estou desejoso por voltar à pista com a moto de corrida e colocar alguma borracha e limpar a linha de corrida para a testar.

Achas que isto vai aumentar a competitividade, melhorar as coisas para os pilotos, ou ambas?

Para começar creio que é mais seguro. Havia muitas quedas na zona da Curva 6 devido aos ressaltos e penso que isso também vai melhorar as corridas. Vai abrir algumas zonas onde antes tínhamos apenas uma linha de trajectória porque tínhamos de falhar as irregularidades e penso que as corridas agora vão ser melhores porque haverá mais locais para ultrapassar. Será uma pista mais agradável, mais divertida; sei que todos os pilotos gostam de Indy, pelo que assim vai ser ainda melhor.

Há alguma coisa de único nesta pista em comparação com outras?

Muito. Quero dizer, olhem para a pista, vejam o tamanho disto. É a única pista dentro de uma oval. Corremos em Motegi, que está parcialmente dentro de uma oval, mas também fora. Mas é claro que há algo de herança em Indy e este local existe há muito tempo e já recebeu muitas corridas. Para mim, sendo do Kentucky, é o ponto alto do ano. Sei que há mesmo muito pilotos que estão sempre ansiosos por esta corrida e é especial.

Sendo tudo do Kentucky, quão importante é este evento para ti?

São todas importantes. As corridas em Itália são as provas caseiras para a equipa e Laguna Seca, na Califórnia, também é boa, mas correr a quatro horas de casa é algo que nunca esperava poder fazer no MotoGP. Na altura não havia uma corrida na América. O que tinha de mais próximo era o Brasil, pelo que gostava muito dessa prova. Cada ano que passa gosto mais da corrida e tenho mais fãs de casa que nunca me vieram a correr, ou nunca me viram correr no MotoGP. Tenho muito apoio. Owensboro é uma grande cidade que apoia os seus filhos onde quer que estejam e vão estar muitas pessoas da cidade presentes na corrida.

A Ducati é como a Ferrari das motos. Como é correr para uma equipa como a Ducati?

Como dizes, a Ducati e Ferrari fazem parte do encanto italiano e é uma moto única, muito especial e com muita história. Não produzem milhares e milhares de motos. É uma companhia pequena que dá tudo pelas suas motos e só produzem máquinas de estrada e aprendi muito. A equipa é impressionante. Quero dizer, eles adoram as motos e a equipa e quando se está em Itália sente-se isso mesmo. Toda a gente, desde o merceeiro às pessoas da bomba de gasolina, todos nos apoiam. Este ano não foi muito bom para nós, mas sabemos que a nossa moto é boa e por vezes um pouco agressiva; colocamos a moto do lado de fora da melhor área e é magnífica, mas quando a temos dentro da melhor área sabemos que é uma verdadeira arma. Espero que sejamos capazes de obter um bom resultado quando aqui voltarmos dentre de três semanas. Corremos na República Checa neste fim-de-semana e depois temos um pequeno teste após a prova que vai ser mesmo muito importante para nós e espero que sejamos capazes de encontrar algo para estarmos em grande para o fim-de-semana de Indy.

Tens um grande companheiro de equipa. Quão importante é ter um bom companheiro de equipa nesta competição?

Penso que temos uma boa equipa. Somos a única formação com dois campeões do mundo neste momento, o que é singular e mesmo assim damo-nos bem. Eu e o Rossi, é claro que nos queremos bater mutuamente, ele está 16 pontos à minha frente, se não estou em erro, e seria uma grande honra para mim se o conseguisse bater. Ele já venceu 9 títulos e estabeleceu a fasquia nesta década. Tem sido um desafio diferente para nós porque ter um italiano campeão do mundo na equipa trouxe muitas expectativas e pressão, mas as pessoas continuam a dar-nos o seu apoio e é claro que querem resultados e que nos querem a vencer, o que não está acontecer neste momento e torna tudo mais difícil. Aprendi muito com ele e o contrário também se pode dizer. Esta moto é nova para ele e não deixa de colocar perguntas e de querer saber o porquê e penso que neste momento os resultados o mostram, mas penso que o próximo ano vai ser a altura em que vamos colher os frutos com as novas regras. Creio que ter dois pilotos fortes que estão a puxar na mesma direcção vai ser melhor que ter dois pilotos a quererem seguir direcções diferentes.

Podes falar-nos um pouco de como é que tu, como piloto, podes afectar o comportamento da moto?

O piloto faz a maior diferença numa mota, enquanto num carro, quando se está preso com os cintos de segurança, não podem fazer muito. Numa moto temos muito mais liberdade para nos movermos, usamos o corpo e outras coisas para nos ajudar a compensar o que a moto pode não estar a fazer. Podes pensar que vamos terminar no pódio, mas uma boa moto, uma boa equipa, um bom piloto é tudo muito semelhante. Não precisamos de ter os três, mas um piloto pode fazer a diferença.

Mais informações sobre o Red Bull GP de Indianapolis de 2011, incluindo venda de bilhetes, podem ser encontrados em http://www.indianapolismotorspeedway.com/redbullindianapolisgp/.

Tags:
MotoGP, 2011, RED BULL INDIANAPOLIS GRAND PRIX, Nicky Hayden

Outras actualizações que o podem interessar ›