Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Pirro: "Quero deixar uma marca no MotoGP"

Pirro: 'Quero deixar uma marca no MotoGP'

Numa entrevista exclusiva ao motogp.com, o italiano expressou os seus pensamentos sobre a nova aventura CRT em que vai embarcar em 2012 com a San Carlo Honda Gresini.

Michele Pirro partilha as suas expectativas e objectivos antes da época que vai disputar aos comandos da CRT da Gresini. “É claramente um marco importante,” começou o piloto de 25 anos. “Vou juntar-me aos melhores pilotos do mundo na mais importante categoria de competição e com uma grande equipa.”

Pirro estendeu a sua parceria com a formação italiana há pouco tempo, e disse: “Estou contente por continuar com eles, são como uma família e depois de tudo o que aconteceu no final da época queria mesmo ficar. O meu primeiro lugar em Valência deu ao Fausto (Gresini) e à equipa força para darem o passo necessário para continuarem. Após o que aconteceu em Sepang a motivação para continuar a correr estava em risco, mas a vitória ajudou-nos a querer construir algo positivo.”

Após uma competitiva época no Campeonato de Moto2 o italiano está pronto para saltar para a categoria rainha onde vai abraçar o desafio da nova classe CRT a partir de 2012. “Dizem que é o futuro,” disse Pirro. “É claro que no início será criticada, tal como aconteceu com a Moto2. Mas depois do primeiro ano deverá ser possível desenvolver a prestação das CRT ainda mais.”

Depois da vitória na última ronda em Valência, o mais esperado era que alinhasse numa segunda campanha nas 600cc da Moto2. Mas o duas bi-Campeão de Itália de Superstock 1000cc surpreendeu todos ao optar pelo salto para o MotoGP. “Admito que esperei até ao último segundo para decidir se continuava, ou não, na Moto2, especialmente depois de ter ficado a conhecer os circuitos e a categoria em geral. Com alguns melhoramentos na moto, certamente teríamos uma boa temporada. Mas falei com o Fausto várias vezes e ele demonstrou sempre muita confiança em mim e encorajou-me, nunca deixou de acreditar nas minhas capacidades, pelo que estou muito contente e orgulhoso por representar a Gresini no MotoGP.”

“Ficar na Moto2 iria seguramente permitir-me melhorar ainda mais na classe como piloto e aproveitar esta oportunidade vai representar muito mais trabalho. Mas estou contente, vamos trabalhar arduamente para darmos o melhor para termos uma boa época, se bem que por se tratar de uma nova categoria é difícil prever o que quer que seja. Estou preparado e excitado com a aposta neste novo projecto.”

A San Carlo Honda Gresini Team vai correr com um protótipo de chassis italiano da FTR e bloco Honda CBR 1000, o que mereceu a seguinte descrição: “A moto é promissora, a FTR sempre fez bons chassis e é claro que será forte com o motor Honda. Apesar da Aprilia e da BMW estão mais adiantados no desenvolvimento; vou manter a concentração e preparar-me para iniciar o trabalho no ponto em que estamos e fazer o projecto andar em frente. Espero que sejamos capazes de adaptar o chassis aos pneus, mas no que me toca vou ter de aprender tudo sobre a moto, da electrónica à melhor posição de pilotagem. Mas o mais importante será o primeiro teste, que deverá ter lugar em Fevereiro.”

Pirro não é novo para as motos de 1000cc, tendo já conquistado os ceptros italianos de Superstock 1000cc em 2007 e 2008 aos comandos de uma Yamaha YZF-R1 da Yamaha Lorenzini by Leoni Team. Na temporada seguinte venceu o Campeonato de Itália de Supersport e em 2010 substituiu o lesionado Vladimir Ivanov na Gresini Racing Moto2 Team, formação com a qual se manteve como piloto regular até ao final do ano.

A carreira do italiano viu-o chegar à categoria mais alta em pouco tempo. “Para todos os pilotos o grande objectivo é competir no MotoGP, mas tenho de admitir que este passo nos meus planos só devia acontecer dentro de uns anos. O importante agora é trabalhar bem com a equipa e divertir-me ao mesmo tempo porque quando tudo corre de feição e se consegue rodar sem problemas os resultados surgem gradualmente. Em poucos anos fiz o que muitos dos meus colegas levam muito tempo a conseguir, mas acredito que mereci cada um dos passos que dei pelo caminho para chegar às categorias mais importantes.”

"Não quero limitar-me a ‘participar’ no MotoGP, gostaria de também deixar uma marca. Mesmo com um nível tão elevado e estando a correr contra os melhores pilotos do mundo, quero tentar ser competitivo com eles. Sei que no início não será fácil, mas espero que o primeiro ano com a CRT seja um investimento no futuro para crescer e ser competitivos nas épocas seguintes.”

Tags:
MotoGP, 2011

Outras actualizações que o podem interessar ›