Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Ezpeleta anuncia grandes alterações no MotoGP para 2013

Ezpeleta anuncia grandes alterações no MotoGP para 2013

O Director Executivo da Dorna falou esta semana no Wrooom sobre as futuras regras que têm por objectivo manter a categoria de MotoGP competitiva.

O Director Executivo da Dorna Sports S.L, Carmelo Ezpeleta, falou sobre as futuras regras da categoria de MotoGP™ durante o Wrooom, evento que decorre esta semana em Madona di Campiglio.

A grelha de MotoGP tem 21 motos inscritas para 2012, incluindo 12 de fábrica e nove da nova categoria CRT. No que toca a esta mistura Ezpeleta disse: "No imediato temos de fazer duas coisas: a primeira é manter a grelha o mais compacta possível. Isto não quer dizer que não haverá diferenças, antes é garantir que as motos CRT estão o mais próximas possível das de fábrica. Em segundo lugar, trata-se de garantir que as motos de fábrica não são tecnologicamente avançadas para apresentar níveis de prestações que podem ser perigosos, com custos que não podem ser assumidos. O problema não é apenas reduzir os custos, mas antes a eventualidade de alguém investir muito dinheiro, ganhar o Campeonato e depois partir e deixar-nos com nada."

Nesta matéria Ezpeleta diz que a comunicação está em curso com os construtores. "Temos três fabricantes – Ducati, Yamaha e Honda. Estou a falar com eles e tenho ideias para tornar o campeonato mais competitivo. A base do desporto motorizado é a combinação entre divertimento e tecnologia. Em tempos de crise, se cortarmos em alguma coisa tem de ser em tecnologia, não no divertimento, factor pelo qual as televisões e os circuitos pagam. Uma vez mais, estou em conversações com os fabricantes e penso que vamos chegar a uma conclusão em Maio quanto à forma como o Campeonato vai ser a partir de 2013."

O Director Executivo da Dorna acredita que pode convencer os fabricantes das vantagens que estas alterações vão trazer: "Os construtores estão conscientes da situação, até porque a crise também os está a afectar. O problema é que, para eles, a prioridade tem sido sempre o desenvolvimento tecnológico. E este desenvolvimento fez com que o custo das motos se tornasse muito elevado, o que até agora tem sido oferecido em leasing. Por outro lado, esta tecnologia que fez das motos que rodam na frente muito rápidas também criou um problema na competição porque são muito superiores."

"Penso que seremos capazes de resolver estes problemas com consenso," disse. "Se assim não for, temos ideias, como a introdução de uma ECU, ou limitação de rotações, o que pode ser lançado já em 2013, ano em que o Campeonato vai ser totalmente diferente do de 2012."

"A aplicação da unidade simples, de acordo com o construtores, seria o maior limitador do desenvolvimento tecnológico continuado. Estamos à procura da melhor forma de limitar a prestação – e com isso os custos – para garantirmos que uma equipa satélite será capaz de obter motos a um máximo de um milhão de Euros por época, seja através da compra, de um contrato de leasing de longo prazo, ou através das CRTs, se bem que estes custos para uma CRT me parecem excessivos."

Tags:
MotoGP, 2012

Outras actualizações que o podem interessar ›