Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Elena Rosell vai rodar pela QMMF Racing Team em 2012

Elena Rosell vai rodar pela QMMF Racing Team em 2012

Elena Rosell vai alinhar no Campeonato do Mundo de Moto2™ de 2012 ao serviço da Qatar Motor and Motorcycle Federation (QMMF) Team e ao lado do companheiro de equipa australiano Damian Cudlin. O motogp.com falou com a espanhola, discutindo o passo dado na carreira e o que espera para a época.

Rosell é a primeira mulher a competir no Campeonato do Mundo desde que a alemã Katja Poensgen deixou as 250cc em 2003, além de ser a primeira espanhola na história a juntar-se ao Campeonato em mais de 60 anos de história.

Rosell fez notícia no ano passado quando se estreou no Campeonato de Moto2 com a Aspar Team. Apesar de não se ter qualificado em Assen devido a queda, foi 33ª no GP de Aragão, tornando-se assim na primeira mulher a participar, e terminar, uma corrida de Moto2. No GP de Valência surpreendeu o paddock ao terminar em 25ª depois de ter ultrapassado nove pilotos durante a corrida, incluindo nomes como os de Joan Olivé e Simone Corsi.

Numa entrevista com o motogp.com a piloto de Moto2 partilhou as suas expectativas para a aventura em que vai embarcar no Campeonato do Mundo.

O que sentes antes da tua primeira temporada completa no Campeonato do Mundo?

- "É impressionante; algo com que sonhei durante muito tempo e que agora se vai concretizar. A verdade é que passámos muito tempo a discutir isto e agora o meu lugar na equipa foi confirmado. Estou contente por termos terminado as negociações.”

Quão bem conheces a formação e o teu companheiro de equipa Damian Cudlin?

- "Conheço a equipa do CEV (Campeonato de Espanha de Velocidade), são-me familiares porque a maior parte deles são espanhóis. É uma formação do Qatar dirigida por espanhóis e penso que isso funciona muito bem. Não conheço o meu companheiro de equipa pessoalmente, mas creio que nos vamos ajudar mutuamente – pelo menos ele vai ajudar-me porque tem mais experiência que eu. Estou contente por iniciar esta nova aventura."

Como pensas que te vais dar na Moto2, uma classe conhecida pela forte competitividade?

- "Bem, este ano quero aprender o máximo possível e o mais depressa possível porque a grelha é composta por pilotos de alto nível e não são muitos os que têm tão pouca experiência como eu. Vai ser duro porque tenho de ficar a conhecer quase todos os traçados e isso vai ser complicado. Mas estou pronta para isso e penso que com a minha determinação poderei resolver as coisas conforme forem surgindo."

Disseste que te vês não como uma ‘piloto feminina’, mas como uma piloto – mas é claro que como a única mulher em pista vais despertar muitas atenções.

- "Sim, desde que comecei que tenho sido grande tema de conversa, seja positiva, ou negativa, e este ano será o mesmo. Tenho tido a sorte de ter muitas pessoas a apoiarem-me, e há sempre opiniões divergentes, mas estas coisas não me afetam de forma negativa. Temos de dar o melhor que pudemos e penso que é assim que vou lidar com tudo.”

Houve algumas mulheres que te antecederam no Campeonato, nomes como Taru Riine, Tomoko Igata e Katja Poensgen. Sabes alguma coisa sobre as corridas delas? Tens como objetivo superar alguma?

- "Não sei tudo sobre as suas carreiras, sei que a Katja Poensgen somou pontos, mas... Não me quero comparar com elas. Quero fazer o meu trabalho como piloto, se os meus resultados forem melhores e se isso ajudar outras possíveis pilotos a usarem-me como referência, tanto melhor. Tenho de tentar dar o meu máximo por mim, pelos patrocinadores que acreditaram em mim e pela equipa.”

Qual é a tua estratégia para a pré-época e para conheceres a Moriwaki MD 600?

- "Bem, há o próximo teste em Valência, depois um em Jerez, e depois o último de novo em Jerez. Por isso, tenho ainda tenho mais algum tempo de pista. Na verdade, nestes dias tenho estado em pista mais vezes que em todo o ano passado com a Suter de Moto2 (no CEV).”

Já recuperaste da lesão na escápula?

- "Por vezes ainda a sinto um pouco. Começámos a treina a 12 de janeiro, antes disso não conseguia correr, nem fazer exercícios básicos. Desde essa altura tentei fazer Supermoto e Motocross em cada semana. Ainda sinto algumas dores de vez em quando porque é um local onde se juntam vários músculos, mas estou suficientemente forte, estou a treinar que nem uma louca nesta pré-época. Comecei todas as épocas com o treino a limitar-se às voltas na moto e penso que o que fiz nesta pré-época me vai ajudar."

Pensas que vais ser a primeira mulher a somar pontos na Moto2, ou até mesmo a primeira a somar um pódio?

- "Bem, isso é sonhar demais, creio. Temos de ter em conta os nossos rivais e os meus não são tão novos como eu, têm muito mais experiência. Vai ser difícil, mas isso torna os resultados muito mais valiosos. Tenho de tentar ser o melhor possível e nos circuitos que conheço veremos se tenho alguma vantagem em termos de confiança e experiência."

E talvez nos surpreendas.

-"Espero que sim!”

Tags:
Moto2, 2012, Elena Rosell, QMMF Racing Team

Outras actualizações que o podem interessar ›