Compra de bilhetes
Compra de VideoPass

Lorenzo: "Ainda estamos a desenvolver a moto"

Jorge Lorenzo acredita que a nova máquina de 1000cc vai ser alvo de progressos significativos antes do primeiro GP do ano. Após o primeiro Teste de 2012 em Sepang o espanhol disse “se pudermos melhorar, mesmo que seja só 2%, podemos dar-nos muito bem este ano."

A época de MotoGP ™ começou com nota positiva para Jorge Lorenzo, que esteve no topo das tabelas de tempos no Teste Oficial da Malásia e, talvez mesmo mais importante, deixou Sepang encorajado com o potencial da sua nova YZR-M1 1000cc, a arma que a marca nipónica desenvolveu para tentar contrariar o domínio apresentado pela Honda no ano passado.

Numa conversa com o motogp.com o piloto da Yamaha Factory Racing partilhou as suas ideias sobre o recente trabalho conseguido no primeiro Teste de pré-época.

"Ainda estamos a desenvolver a moto porque as coisas mudaram muito, a capacidade da moto tem mais 200cc, tem mais potência, é mais pesada, temos de travar mais forte, acelerar com mais suavidade e usar mais força para mantermos a moto direita depois das curvas... Mas penso que estamos um pouco mais perto dos nossos rivais,” explicou o Campeão do Mundo de 2010. “A moto tem muito potencial. Temos de trabalhar em várias coisas, mas se pudermos melhorar, mesmo que seja só 2%, podemos dar-nos muito bem este ano."

Lorenzo acredita que durante o último teste de pré-época em Jerez, ou no primeiro Grande Prémio do ano no Qatar, terá uma moto melhor ajustada: “É difícil melhorar muito a moto em apenas algumas semanas. Creio que agora vamos trabalhar para melhorar alguns pontos da eletrónica antes de Jerez e quando chegarmos ao Qatar podemos dar um grande passo em frente,” prevê Lorenzo.

O espanhol refere também que a Honda, Yamaha e Ducati parecem estar mais equiparadas esta época. E no que toca aos progressos Rossi/Ducati e hipotético regresso do italiano à luta na frente do pelotão, Lorenzo comentou:

"Este ano vejo maior equilíbrio entre as três fábricas, penso que é possível ver todos os construtores ganharem corridas esta época, o que no ano passado era impossível para a Ducati. Tivemos três ou quatro, mas este ano penso que a Ducati terá oportunidades de vencer, mas ainda não sei se serão capazes de conquistar o título, mas vejo que parecem estar mais fortes, mais competitivos, mais rápidos e creio que o Valentino vai lutar pela vitória este ano."

Um ponto de preocupação para Lorenzo na nova era das 1000cc é a velocidade de ponta mais elevada que os potentes protótipos conseguem atingir. Ele acredita que deve ser estabelecido um limite na velocidade máxima conseguida em competição.

"É pouco provável que haja acidentes a 340 ou 350km/h em reta, mas se acontecesse seria quase impossível não sofrer consequências sérias, pelo que para mim não há necessidade de rodar a 350km/h em reta. Penso que 310, 320km/h é mais que suficiente para corrermos; a velocidade não faz a corrida, o que procurámos nos últimos anos foi dar mais espetáculo aos fãs, mas penso que há um limite. Chegámos aos 350km/h. Penso que é demais,” concluiu Lorenzo.

Tags:
MotoGP, 2012, Jorge Lorenzo, Yamaha Factory Racing

Outras actualizações que o podem interessar ›