Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Avintia Blusens end pre-season closer to top

Avintia Blusens end pre-season closer to top

Os dois pilotos da formação espanhola, Iván Silva e Yonny Hernández, reduziram a diferença para as máquinas de MotoGP™ no último Teste.

Três dias de trabalho intenso (o segundo deles quase perdido para a chuva) por parte de toda a equipa Avintia Blusens no Teste de Jerez, que terminou no domingo, permitem à formação ir para o Qatar em boa forma para o primeiro Grande Prémio do ano.

Iván Silva e Yonny Hernández efectuaram sólidas alterações enquanto a equipa tentou solucionar os problemas que a dupla teve com a FTR nas curvas, com as mais lentas a serem o maior problema. Ambos os pilotos e as suas equipas dedicaram muito tempo a este aspecto e focaram-se ainda muito na electrónica.

Os resultados foram positivos e a Avintia Blusens reduziu a diferença para as máquinas de MotoGP™ em termos de tempo e em comparação com os ensaios anteriores. Iván Silva terminou o Teste a 3,666s de Casey Stoner e a apenas oito décimos da segunda CRT. Tirando De Puniet, o resto do piloto das CRT está separado por um segundo, o que deixa antever emocionante temporada na qual os pilotos da Avintia Blusens poderão lutar com os rivais CRT.

Raúl Romero (Team Manager):

“Estou muito contente com este resultado. Demos mais um passo em frente e também mostrámos que estamos a bom nível em comparação com as outras CRT. Há espaço para melhorar e isso motiva-nos. Também temos de ter em conta que alguns dos outros já estão a trabalhar há muito tempo e nós estamos agora a começar. Sempre que vamos para a pista melhoramos muito. No domingo o Iván baixou o seu tempo e o Yonny trabalhou muito na electrónica e com a segunda moto para a ter pronta para o Qatar. Não tivemos problemas de maior ou quedas. Estou orgulhoso de toda a equipa e do que conseguiram para termos todo o trabalho completo.”

Iván Silva:

“Fizemos um grande trabalho aqui. O resultado é positivo e, com algumas pequenas coisas que ainda temos de testar e que não tivemos tempo para o fazer, estou certo que teríamos ido abaixo do segundo 42. Mas vamos lá chegar. Neste momento estou a conhecer a moto e todas as alterações trazem benefícios. Trabalhei muito com problemas que tivemos na frente e melhorámos, mas também perdi alguma aderência traseira. Temos de ter em conta que estamos a construir uma moto de raiz e isso implica muito trabalho. Temos bom ritmo e, com o nível do resto do pelotão da CRT, isso pode resultar em corridas emocionantes.”

Yonny Hernández:

“Rodei abaixo do segundo 43 apesar de ainda haver muito para melhorar. Trabalhámos muito com a segunda moto, o que nos tirou muito tempo, mas temos uma direcção sólida a seguir no Qatar. Fizemos um grande trabalho com a electrónica e aos poucos estamos a ficar mais competitivos. Estou excitado porque há muita igualdade entre as máquinas CRT e ainda temos muito para melhorar. O De Puniet fugiu um pouco, mas vamos lá chegar!”

Tags:
MotoGP, 2012

Outras actualizações que o podem interessar ›