Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Estrelas do MotoGP™ juntam-se na conferência pré-Misano

Estrelas do MotoGP™ juntam-se na conferência pré-Misano

O pelotão do MotoGP™ está de novo junto depois de três semanas de intervalo para o Grande Prémio Aperol de São Marino e da Riviera de Rimini, onde o líder do Campeonato Jorge Lorenzo, da Yamaha Factory Racing, contou com a companhia de Dani Pedrosa, Cal Crutchlow, Valentino Rossi e Jonathan Rea.

Lorenzo, actualmente com 13 pontos de vantagem sobre o rival Pedrosa, espera aumentar a distância na frente da classificação na pista italiana: “Este ano temos sido muito constantes, sempre nas duas primeiras posições. Nas últimas três corridas não conseguimos vencer, mas estivemos muito perto. Agora chegamos a esta pista, que para nós tem sido muito boa nos últimos quatro anos. Fui segundo nos primeiros três e no ano passado consegui finalmente vencer. Em Aragão [no teste] encontrámos algo que nos dá um pouco mais de velocidade – na verdade foi em Brno que encontrámos – mas não podemos usar o último motor, pelo que vamos rodar com o mesmo bloco e moto que em Brno. Vamos esperar, mas nesta corrida vamos tentar lutar pela vitória e talvez na próxima, em Aragão, tenhamos uma moto melhor.”

Pedrosa, da Repsol Honda, actualmente em bom momento de forma, não se está a deixar levar: “As duas últimas corridas foram boas. Estou muito contente com isso, mas temos de continuar a trabalhar e tentar rodar bem aqui uma vez mais. É importante estar sempre concentrado. Também testámos em Aragão. Foi um teste importante para a última fase do Campeonato. Tentámos melhorar algumas coisas na aderência, que podemos, ou não, usar.”

Cal Crutchlow, da Monster Yamaha Tech 3, ruma para esta jornada tranquilo depois de se ter estreado no pódio em Brno, mas agora está em busca do próximo passo: “O último quarto da época vai ser duro. Estou ansioso por continuar até ao final do ano. Agora já conquistámos um pódio, espero que possamos voltar a lutar por outros daqui para a frente. Se conseguirmos reduzir um pouco a diferença ficaria contente. Venho para Misano como forte candidato ao pódio, não há motivos para não poder lá estar.”

Valentino Rossi, da Ducati Team, para quem esta será a última corrida em casa com a marca italiana, está apostado num bom resultado para o fãs: “Já duas semanas testámos novas coisas e tivemos dois dias com boas prestações e sensações. Mas agora temos de compreender se melhorámos e quanto, em conjunto com os outros. É um novo chassis e novo braço oscilante com algumas alterações em tamanho, posição e rigidez. A comparação no teste foi melhor que a moto usada em Brno. Temos muitas corridas diferentes [até ao final da época] onde podemos tentar melhorar a moto. O nosso objectivo é fazermos boas corridas até ao final.”

Jonathan Rea, da Repsol Honda Team, que substitui o lesionado Casey Stoner, vai estrear-se no MotoGP™ neste fim-de-semana e está desejoso por ir para a pista para competir pela primeira vez numa máquina de MotoGP, tema sobre o qual já tinha falado com o motogp.com antes da conferência de imprensa de pré-evento.

Com esta a ser a primeira vez que os pilotos vêm ao traçado desde que este foi re-baptizado em homenagem ao falecido Marco Simoncelli, que perdeu a vida na corrida da Malásia do ano passado, os pilotos expressaram os seus sentimentos, com Rossi a dizer: “Quando vimos aqui, com o circuito a ter o nome do Marco, há uma maior sensação de perda. Temos de tentar fazer uma boa corrida para o Marco e para a sua família.” Pedrosa acrescentou: “Compensa um pouco o sentimento de tristeza que temos cá dentro. E é claro que é o mesmo para o Shoya Tomizawa [que morreu em Misano em 2010].”

Lorenzo expressou os mesmo sentimentos: “Ele era uma das estrelas do campeonato. Muito bom piloto, carismático, movia muita gente, tinha muitos fãs. Penso que foi bom terem mudado o nome da pista. Ele merece. Também ficámos muito tristes com o Tomizawa quando se deu o drama em 2010. Ainda temos memórias deles os dois. Vamos sempre lembrar-nos deles.” E Crutchlow resumiu com: “É uma grande honra para Misano ter o nome do Marco. Não o contrário. Temos de olhar para os fãs, todos a vestirem a t-shirt, para vermos o que ele era.” Rea não correu com Marco, mas conhecia-o e disse: “Quando se é piloto e se ouve notícias destas afecta-nos de forma diferente. Para um piloto é algo muito negativo em que pensar, é muito bom trazer ao de cima as coisas positivas.”

Tags:
MotoGP, 2012, GP APEROL DI SAN MARINO E DELLA RIVIERA DI RIMINI

Outras actualizações que o podem interessar ›