Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Análise da Brigdestone ao MotoGP™ em Motegi

Análise da Brigdestone ao MotoGP™ em Motegi

Shinji Aoki - Director, Departamento de Desenvolvimento de Pneus de Competição da Bridgestone – avalia prestações da corrida do fim-de-semana passado em Motegi.

As condições climatéricas ao longo de todo o fim-de-semana foram excelentes, com sol, tempo seco e temperaturas da pista na ordem dos 30ºC permitiram aos pilotos avaliar todas as opções de slicks durante os treinos e qualificação. Com condições de pista óptimas para a corrida e muito tempo para refinar a afinação, a escolha de pneus para a corrida de domingo foi uniforme em toda a grelha, com o slick frontal mais duro a ser usado em combinação com o traseiro mais macio.

 

Perguntas e Respostas com Shinji Aoki - Director, Departamento de Desenvolvimento de Pneus de Competição da Bridgestone

 

Motegi é considerado um circuito stop-and-go. Como é que as frequentes acelerações e travagens influenciam o desenvolvimento dos pneus para o Grande Prémio do Japão?
 

“O desenho de Motegi coloca muita pressão na secção central dos pneus frontais e traseiros, pelo que a nossa selecção de pneus tem de ter isto em conta, enquanto considera também a grande variedade das condições climatéricas que costumam existir aqui. Para o pneu frontal as frequentes travagens fortes requerem maior estabilidade frontal, pelo que oferecemos um composto duro e médio, bem como um composto macio para o caso das temperaturas estarem muito frias.

 

“A secção central dos slicks traseiros assimétricos contam com uma borracha dura, durável, que pode suportar repetidas acelerações no asfalto abrasivo, enquanto os ombros usam compostos mais macios para manterem o pneu na janela de temperatura óptima e dar boa aderência lateral nas secções mais lentas.”

 

O aumento de peso e de entrega de potência das máquinas de 1000cc requer alguma alteração na distribuição de pneus em comparação com o ano passado?
 

“Ao longo da época recolhemos muitos dados sobre a dinâmica de prestação das máquinas de 1000cc do MotoGP e aumentámos muito os nossos conhecimentos nesta matéria. Tendo por base a análise dos dados, acreditamos que a especificação de pneus de 2012 pode ser oferecida nos mesmos compostos do ano passado em Motegi e ainda pode oferecer melhores níveis de prestação. A maior amplitude de temperaturas de funcionamento dos pneus de MotoGP deste ano conseguiu gerir o aumento das cargas em travagem, nas curvas e em aceleração, e isto reflectiu-se num novo recorde da pole position e da melhor volta ao circuito, nem como no que toca ao tempo total da corrida que foi 16 segundos mais rápida que no ano passado.”

 

Todos os pilotos optaram pelo traseiro macio e pelo slick frontal mais duro para a corrida. Pode explicar porquê?
 

“A escolha de pneus para a corrida voltou a estar relacionado com a natureza stop-and-go de Motegi. As condições da pista para a corrida de domingo foram quase ideais com piso seco e temperaturas da pista na casa dos 30ºC, o que levou todos os pilotos a optarem pela combinação de pneus que ofereceu o melhor nível de prestação porque não consideraram as temperaturas da pista nem muito altas, nem muito baixas.

 

“Se as condições da pista fossem significativamente mais baixas, o que é sempre uma possibilidade no Japão em Outubro, então o provável é que alguns pilotos, em particular os das CRT, talvez tivessem escolhido o slick frontal mais macio para mais confiança nas primeiras voltas.”

Compostos Slick oferecidos pela Bridgestone:

Frontal: Macio, Medio, Duro
Traseiro: Macio, Médio (Assimétrico)

Compostos de chuva oferecidos pela Bridgestone: Macio (Principal), Duro (Alternativo)

Comunicado de imprensa Bridgestone.

Tags:
MotoGP, 2012, AIRASIA GRAND PRIX OF JAPAN

Outras actualizações que o podem interessar ›