Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Lorenzo no topo na continuação do teste na Austrália

Lorenzo no topo na continuação do teste na Austrália

O bi-Campeão do Mundo Jorge Lorenzo reduziu a melhor marca do teste de pneus no segundo dia de trabalho em Phillip Island nesta terça-feira. O piloto da Yamaha Factory Racing levou a melhor sobre Dani Pedrosa e Andrea Dovizioso, enquanto Tito Rabat impôs impressionante ritmo na Moto2™.

O teste de três dias desta semana tem lugar após os problemas verificados no Grande Prémio da Austrália de 2013, em que a Bridgestone e a Dunlop foram traídas pelas velocidades médias mais elevadas no novo asfalto de Phillip Island e por esse motivo levam agora a cabo teste e pneus para evitar as complicações da última visita à pista.
 
Mantendo-se no topo como tinha acontecido na segunda-feira, quando afirmou que estava muito mais contente com a borracha de 2014, Lorenzo reduziu a marca para 1m29,133s. O espanhol terminou com 0,25s de margem sobre Pedrosa, da Repsol Honda Team, com Dovizioso, da Ducati Team, a fazer com que fossem três os construtores diferentes nas três primeiras posições, isto enquanto Valentino Rossi, da Yamaha, e Cal Crutchlow, da Ducati, ocuparam as quarta e quinta posições. Contudo, este teste centra-se mais no ensaio da nova construção de pneus e compostos, que nos tempos rápidos.
 
Lorenzo foi visto a rodar na pista com uma carnagem de carbono negra na sua Yamaha M1, significativamente mais pequena em tamanho, mas com maior entrada de ar para responder às condições tipicamente ventosas do traçado. Com a Austrália actualmente a viver a época de Verão, as temperaturas da pista na ordem dos 50ºC são bem mais elevadas que encontradas em Outubro durante o Grande Prémio, mas isso não impediu a Bridgestone de recolher muitos dados no que toca à durabilidade dos pneus; o nevoeiro matinal não tardou a desaparecer graças ao sol. Com a ameaça de chuva para quarta-feira, as simulações de corrida de MotoGP™ foram inicialmente agendadas para hoje, mas as tiradas mais longas acabaram por ser 14 voltas.
 
Como é característico de um dia de testes, houve bandeiras vermelhas. Uma delas pelo piloto de Moto2 Nico Terol, que sofreu queda no gancho MG, mas saiu ileso. Menos usura foi a paragem após as 12 horas locais devido a um bando de gansos que chegou ao traçado de forma inesperada, mas as aves acabaram por ser rapidamente afastadas pelos comissários.
 
No que toca à Moto2™, Tito Rabat, da Marc VDS Racing Team, esteve imparável ao assinou um tempo mais de quatro décimos mais rápido que o do campeão Pol Espargaró e homem da pole do ano passado: 1m32,168s. O espanhol, que também impressionou com a terceira velocidade em curva mais elevada no segundo sector da volta e que totalizou 101 voltas, terminou à frente do colega de equipa Mika Kallio (ainda com dores após ter sido cuspido na Curva Sibéria no Dia 1), bem como da dupla da Mapfre Aspar Team Moto2, Nico Terol e Jordi Torres, com a Dunlop a avaliar nove novas especificações de pneus traseiros para os pilotos da categoria intermédia; o objectivo é seleccionar dois no final do teste.
 
Resta um dia de trabalho. A Bridgestone já confirmou que reduziu as suas opções a três, com duas a serem as mais prováveis de seguirem em frente para a próxima fase de desenvolvimento. Enquanto este teste pode não decidir os compostos específicos que a marca nipónica fará correr na prova deste ano em Phillip Island, a verdade é que está a gerar dados suficientes para a produção dos melhores pneus possíveis.
 
Os testes terminam na quarta-feira com a acção a decorrer entre as 9h30 e as 17h30 locais (GMT +11).
 
Veja aqui os resultados completos do teste de Phillip Island.

Tags:
MotoGP, 2014

Outras actualizações que o podem interessar ›