Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Bautista e Redding brilham em condições difíceis em Sachsenring

Bautista e Redding brilham em condições difíceis em Sachsenring

Após o Assen TT, também o Grande Prémio da Alemanha deste domingo em Sachsenring foi afectado por condições de pista mista e pelas regras bandeira-a-bandeira: a pista já estava a secar antes do início da prova e 14 dos 23 pilotos foram às boxes para trocarem para as motos com pneus slick, entre eles os pilotos do Team  GO&FUN Honda Gresini.

Sem conseguirem tirar partido dos 10º e 14º postos da grelha, Álvaro Bautista e o colega de equipa Scott Redding partiram do pit lane, dando por si nas 22ª e 28ª posições, respectivamente, após a primeira volta.
 
Contudo, o espanhol e o britânico levaram a cabo boa recuperação, com Bautista a garantir o nono lugar final depois de ultrapassar a Ducati de Cal Crutchlow na última volta e Redding a ver a bandeira de xadrez em 11º após ter sido batido por Pol Espargaró e pelo próprio colega de equipa nos momentos finais.
 
“O início do pit lane afectou toda a nossa corrida,” começou por explicar Bautista. “Fomos para a grelha com a moto para condições de molhado e durante a volta de aquecimento preferi ficar para trás e ver o que os outros decidiam fazer porque, em alguns sítios, a pista ainda estava muito molhada.”
 
“Depois vi que quase todos entraram para trocar de moto e fiz o mesmo, mas quando nos alinhámos à saída do pot lane não havia espaço para ficar à frente, pelo que fiz uma má partida. Contudo, comecei a ultrapassar alguns pilotos, apesar de não ser fácil nesta pista, e depois consegui manter bom ritmo. Digamos que gostei de ultrapassar tantos pilotos, mas preferia tê-lo feito para uma posição melhor. Também creio que ter tantos pilotos a partirem do pit lane foi uma situação potencialmente perigosa, mas felizmente não aconteceu nada. Agora temos umas semanas para descansar e depois voltaremos à luta: esperamos estar mais consistentes na segunda metara da época,” rematou o espanhol que agora está em décimo da geral com 50 pontos.
 
Já Redding fez uma análise mais optimista da jornada germânica: “Hoje (domingo) foi bom para mim. Não pensei que fosse apanhar os outros pilotos Honda que partiram para a corrida com pneus slick; pensei apenas que tinha de bater o Nicky, que partiu do pit lane como eu.”
 
“Quando partimos da via das boxes comecei a puxar e fui muito rápido, também em comparação com as motos de fábrica; corri muitos riscos nas zonas molhadas da pista porque tinha de os correr, sabem… Estava a sentir-me muito confortável e fui razoavelmente forte também quando os pneu macio começou a perder. Mesmo quando o Pol Espargaró me passou mantive-me com ele por duas ou três voltas, e também com o Álvaro. Estou contente porque dei tudo,” rematou o britânico que fortaleceu a liderança na luta pela supremacia das Honda RCV1000R Open em quatro pontos sobre Nicky Hayden.

Tags:
MotoGP, 2014, eni MOTORRAD GRAND PRIX DEUTSCHLAND, Scott Redding, Alvaro Bautista, GO&FUN Honda Gresini

Outras actualizações que o podem interessar ›