Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Os comentários da Bridgestone à corrida de MotoGP™ de Misano

Os comentários da Bridgestone à corrida de MotoGP™ de Misano

Masao Azuma, Engenheiro Chefe do Departamento de Desenvolvimento de Pneus de Motociclismo da Bridgestone, revê o Grande Prémio TIM de São Marino e da Riviera de Rimini de 2014.

Após o primeiro dia do fim‑de‑semana de corridas ter sido marcado por chuva forte e pelas temperaturas de pista mais baixas da época até ao momento, as condições climatéricas para o resto da jornada melhoraram bastante e domingo apresentou as temperaturas mais quentes, resultando numa temperatura de pista de 37ºC.
 
P&R com Masao Azuma – Engenheiro Chefe do Departamento de Desenvolvimento de Pneus de Motociclismo da Bridgestone:
 
Pode explicar a situação de sexta-feira, quando a Bridgestone aumentou a distribuição de pneus de chuva para disponibilizar mais pneus macios a cada piloto? Porque é que esta decisão foi tomada e o composto macio trouxe melhorias na aderência em comparação com o composto duro?
“No passado, o circuito de Misano mostrou-se muito abrasivo no molhado, pelo que o nosso plano original era trazer o composto duro de chuva como especificação principal. A última vez que tivemos condições tão molhadas em Misano foi há muitos anos e parece que desde então a composição do asfalto pode ter alterado, o que resultou em aderência muito reduzida no molhado. Durante a primeira sessão de treinos, com temperaturas muito baixas, os pilotos disseram que tinham poucas sensações com a frente, em particular em travagem, pelo que reagimos depressa e depois de consultarmos a FIM decidimos aumentar a nossa distribuição de pneus de chuva para aumentarmos o número de pneus macios para cada piloto a partir da FP2.”
 
“Os pilotos relataram que apesar do composto macio de chuva ter oferecido melhor aderência que o duro, o estado do piso de Misano em condições de chuva é muito difícil e isso foi evidente com o elevado número de incidentes nas três classes. O número total de quedas de sexta-feira nas três classes foi de 62, 17 delas no MotoGP. Contudo, conseguimos reunir informação útil sobre a prestação dos pneus no asfalto de Misano nas duas sessões, o que nos vai ajudar no nosso futuro desenvolvimento de pneus. “
 
Misano foi a primeira ronda do ano em que o primeiro dia de acção foi totalmente molhado. Como é que esta redução de tempo de pista seca afecta a escolha de pneus no domingo?
“As condições de chuva de sexta-feira significaram claramente que os Treinos Livres 3 e 4 de sábado foram muito atarefados para os nossos engenheiros porque as equipas tinham pouco tempo de pista seca para avaliar as diferentes opções e encontrar a afinação certa para tirar a melhor prestação dos pneus. Como resultado, não houve muita experimentação com o pneu traseiro entre os pilotos de fábrica da Honda e da Yamaha e ninguém avaliou o slick traseiro de composto duro no sábado. Tendo em conta que a corrida teve as temperaturas mais elevadas do fim‑de‑semana, se tivesse havido mais tempo de pista seca teria sido interessante ver que pilotos teriam avaliar o slick traseiro de composto duro já que teria sido uma boa opção para a corrida.”
 
Em 2013 muitos pilotos escolheram o slick frontal de composto duro para a corrida, mas este ano só o Jorge Lorenzo o escolheu para a corrida. O que mudou num ano para se assistir a tão expressiva alteração na escolha do pneu frontal?
“O pneu frontal é muito importante porque o piloto precisa de se sentir confiante com a rente da moto para ser rápido; é aceitável algum patinar e movimento da traseira, mas na frente é preciso estar 100% confiante. Assim, no final, a escolha do pneu frontal deve-se principalmente à preferência pessoal e ao que funciona melhor com a afinação. Neste caso, só o Jorge se sentiu mais confortável com o composto duro para a frente. Há muitos motivos pelos quais o composto médio foi o preferido este ano; alterações no carácter da moto, o asfalto tem mais um ano, e também a falta de tempo em piso seco, mas no final os dois compostos são muito bons pneus de corrida. O Jorge estabeleceu a terceira melhor volta da corrida e foi muito consistente com os seus tempos por volta, o que mostra que o slick frontal de composto duro ainda foi uma boa opção este ano.”

Tags:
MotoGP, 2014, GP TIM DI SAN MARINO E DELLA RIVIERA DI RIMINI

Outras actualizações que o podem interessar ›