Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Terceiro lugar de Rabat deixa-o mais perto do título

Terceiro lugar de Rabat deixa-o mais perto do título

Tito Rabat assinou o 12º pódio da época no domingo em Phillip Island ao terminar em terceiro e garantindo que o Campeão do Mundo de Moto2™ deste ano será um piloto da Marc VDS Racing Team.

Os 16 pontos do terceiro posto significam que o vencedor da corrida, Maverick Viñales, já não pode apanhar Rabat no Campeonato. O único piloto que impedir o espanhol de 25 anos de conquistar o primeiro Campeonato do Mundo é o seu colga de equipa Mika Kallio, que foi quarto e assim prolongou a luta pela coroa por mais uma semana.
 
Ainda assim, anular os 41 pontos de diferença entre ambos será pedir muito ao finlandês numa altura em que restam duas corridas por disputar – Sepang e Valência.
 
Num ano de grandes sucessos para a equipa, Rabat e Kallio ocupam as duas primeiras posições do Campeonato do Mundo desde a primeira ronda do ano no Qatar, somando dez vitórias, 20 pódio e 12 pole positions entre si.
 
Rabat liderou a corrida de domingo por mais que uma vez, mas Viñales acabou por levar a melhor. Ele comentou: “Foi muito difícil. Aconteceu algo na Curva 4, a direcção do vento deve ter mudado, ou algo, porque a pista estava um pouco mais fria. Estava a usar o mesmo ponto de referência, mas estava sempre a alargar a linha, o que era muito estranho. Foram muitas passagens, muito movimento na corrida, pelo que foi complicado.”
 
Ele acrescentou: “Estou contente pela equipa hoje porque fizeram um grande trabalho e nunca antes me senti como aqui na Marc VDS, pelo que merecem ser campeões. Agora temos apenas duas corridas para tentar e garantir que um dos pilotos é coroado campeão e que esse piloto tenha o número 53 na moto!”
 
Enquanto isso, Kallio lamentou: “Não há muito a dizer sobre a corrida. Tivemos a possibilidade de vencer, mas não aconteceu. Os pneus extra duros que somos obrigados a usar aqui não se adaptam ao meu estilo de pilotagem. É certo que é o mesmo para todos, mas parece que tenho mais problemas com estes pneus que os outros pilotos. Senti que estive sempre a rodar acima do limite para apanhar os que estavam à minha frente e estive várias vezes perto da queda por perder aderência traseira. A corrida, para mim, foi um desastre.”

Tags:
Moto2, 2014, TISSOT AUSTRALIAN GRAND PRIX, Tito Rabat, Marc VDS Racing Team

Outras actualizações que o podem interessar ›