Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Comissão de GP’s aprova processo de desenvolvimento de electrónica de 2016

Comissão de GP’s aprova processo de desenvolvimento de electrónica de 2016

Na última reunião do ano, a Comissão de Grandes Prémios tomou decisões específicas relativas a actualizações de regulamentos para a época de 2016 do MotoGP™.

Reunida em Madrid a 16 de Dezembro, a Comissão de Grandes Prémios, composta por Carmelo Ezpeleta (CEO Dorna), Ignacio Verneda (Director Executivo FIM, Desporto), Hervé Poncharal (IRTA) e Takanao Tsubouchi (MSMA), na presença de Javier Alonso (Dorna) e de Mike Trimby (IRTA, Secretário da reunião), reuniram-se com representantes dos construtores que participam no Campeonato do Mundo de MotoGP™.
 
Shuhei Nakamoto e Livio Suppo (Honda), Lin Jarvis (Yamaha), Gigi Dall'igna (Ducati), e Mike Webb (Director de Corrida do MotoGP™) estiveram todos presentes.
 
Carmelo Ezpeleta, CEO da Dorna Sports, comentou: “Basicamente, a Comissão de Grandes Prémios aprovou o sistema de trabalho para a criação de pacotes electrónicos para 2016, propostos por unanimidade pelos membros da MSMA. No que toca ao número de motores a serem utilizados na época 2016 e também em relação ao peso da moto nessa temporada, a decisão ainda está pendente, com a reunião da MSMA a ter lugar em Sepang, no teste de pré-época de 2015.”
 
“Esperamos uma decisão deles, seja por unanimidade ou por maioria, e depois poderá ser aprovada. Também confirmámos uma série de protocolos que foram aplicados desde o ano passado em termos de segurança e outras coisas, e agora escrevemo-los.”
 
A Comissão de Grandes Prémios tomou as seguintes decisões:
 
Regulamento Desportivo – Efeitos em 2015
 
As alterações ao Regulamento Desportivo dizem respeito principalmente à incorporação nos Grandes Prémios dos protocolos e procedimentos regulamentares que já tinham sido definidos e implementados na época de 2014. Esses incluem:
 
O procedimento a adoptar quando há alterações nas condições climatéricas após os pilotos terem chegado à grelha depois de volta de visualização.
 
Alterações à posição definida da saída do pit lane e a introdução de uma linha pintada na pista que não pode ser cruzada pelos pilotos à saída do pit lane.
 
Procedimentos e posicionamento da moto para troca de motos na classe de MotoGP nas corridas de bandeira-a-bandeira.
 
As novas regras aprovadas são:
 
Em consequência das alterações à saída do pit lane, quando é aplicada uma penalização pelo excesso de uso de motores, os pilotos a partirem para a corrida do pit lane largam cinco segundos após a apresentação da luz verde à saída do pit lane, em vez dos actuais dez segundos depois.
 
Foram feitas pequenas alterações aos regulamentos no que respeita às bandeiras de aviso para ficarem em conformidade com outros Campeonatos FIM.
 
Regulamento Técnico – Efeitos em 2015
 
Classe de Moto2
 
O uso de sensores de pressão de pneus, medindo a pressão do pneu slick traseiro, é obrigatório. Isto vai permitir ao Director Técnico impor a aplicação dos actuais regulamentos que obrigam os pilotos a usarem a pressão aprovada pelo fornecedor oficial.
 
Classe de MotoGP
 
O preço máximo que pode ser cobrado pelo fornecimento de pacotes de travões normalmente suficientes para um pacote de roda frontal completo, época de tempo seco, foram confirmados. O pacote completo, incluindo discos, pastilhas, pinças e cilindros, não pode custar mais que 70.000 euros. As equipas podem optar por um pacote que não inclua pinças e o preço máximo deste é de 60.000 euros.
 
Foi já anunciado que as equipas de Fábrica na classe de MotoGP têm de passar a usar o software padrão a partir de 1 de Julho de 2015. Foi agora confirmado que diferentes equipas, usando máquinas da mesma Fábrica, podem usar versões diferentes do software padrão.
 
Todas as Classes
 
Já é regra que o ponto mais baixo da carenagem tem de ter capacidade para recolher óleo ou líquidos no caso de falha de motor. Foi agora acordado que a capacidade mínima destes reservatórios tem de ser de 5 litros para as máquinas das classes de Moto2 e MotoGP e de 3,5 litros para as máquinas da classe de Moto3. O procedimento para medição da capacidade foi também confirmado.
 
Nas classes de Moto3, Moto2 e MotoGP Open não é permitida a utilização de equipamentos adicionais para alterar o sinal enviado pela centralina fornecida pelo Campeonato para o actuadores.
 
Regulamento Técnico – Efeitos em 2016
 
As discussões sobre o Regulamento Técnico para o MotoGP em 2016 continuaram na Comissão de Grandes Prémios. Espera-se que temas como número de motores disponíveis para toda a época e pesos mínimos das máquinas sejam finalizados e anunciados no início de Fevereiro de 2015. Entretanto, a capacidade máxima do combustível para 2016 foi confirmada nos 22 litros.
 
Regulamento Disciplinar – Efeitos em 2015
 
Foi decidido que já não é necessário levar a cabo uma audição entre a Direcção de Corrida e o piloto antes da imposição de uma penalização menor. Penalizações menores são definidas como a imposição de até três pontos de penalização, multa até 1.000 euros ou uma penalização de grelha de até três posições. Normalmente, os pilotos mantêm o direito de apelar contra tais penalizações, caso em que terá de ser convocada uma audição.
 
Código Médico – Efeitos em 2015
 
Foi aceite incorporar nos regulamentos a nova versão do SCAT3. Trata-se do “Sport Concussion Assessment Tool” (Ferramenta de Avaliação de Contusões Desportivas) que já é usado por grande números de entidades desportivas para avaliar atletas lesionados com contusões.

Tags:
MotoGP, 2014

Outras actualizações que o podem interessar ›

motogp.com

2 anos ago

Um novo FIM CEV Repsol em 2015