Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Márquez mais rápido no primeiro dia de testes de 2015

Márquez mais rápido no primeiro dia de testes de 2015

A acção de MotoGP™ de 2015 foi reatada nesta quarta-feira no Circuito Internacional de Sepang com Marc Márquez a liderar o pelotão

Com 30 pilotos em pista, toda a grelha de 2015 do MotoGP™ esteve presente, excepção feita a Yonny Hernández, da Pramac Racing, que deverá regressar de lesão em Sepang 2. Dos presentes constaram também cinco pilotos de testes de várias marcas.

O bi-Campeão do Mundo de MotoGP™ da Repsol Honda, Márquez, assinou o melhor registo na 62ª das 63 voltas que efectuou, enquanto o colega de equipa Dani Pedrosa ficou em quinto, a 0,483s de distância. Pedrosa sofreu uma queda tardia e sem consequências na Curva 9.

A HRC chegou a Sepang com grande número de motos para os pilotos de fábrica e para os de testes – máquinas de 2014 para compararem com os protótipos de 2015 para desenvolvimento. O melhor crono de Márquez foi 0,024s mais lesto que o conseguido no primeiro dia de testes do ano passado.

No segundo lugar da tabela de tempos de quarta-feira ficou Valentino Rossi (2m00,380s), da Movistar Yamaha MotoGP. O italiano e o companheiro de equipa Jorge Lorenzo rodaram com protótipos YZR-M1 semelhantes aos que usaram no ensaio de Novembro em Valência. A Yamaha continua a testar um tubo de escape mais curto, desta feita com uma grelha sobre a saída de ar, tudo com o objectivo de evitar chamas e prevenir a entrada de gravilha e detritos.

Rossi rodou ainda com um novo e especial capacete de “Inverno”, com flocos de neve e renas, elementos que de outra forma não seriam vistos em Sepang esta semana. Lorenzo foi o terceiro melhor a 0,141s de Rossi.

Enquanto isso, Pol Espargaró, da Monster Yamaha Tech3, mostrou bom ritmo ao terminar em sexto apesar de pequena queda no início do trabalho daquele que é o seu segundo ano na categoria rainha. O colega de equipa do espanhol, Bradley Smith, rodou mais abaixo na tabela de tempos, em nono. O piloto de testes da Yamaha Katsuyuki Nakasuga também foi ao chão de manhã sem se lesionar.

A nova dupla da CWM LCR Honda, Cal Crutchlow e Jack Miller, começaram o trabalho com a RC213V e a RC213V-RS especificação Open, respectivamente, terminando a jornada em 10º e 19º. Miller concentrou-se na adaptação ao pacote electrónico Magneti Marelli MotoGP – o australiano quer melhores prestações com o controlo de tracção – enquanto para Crutchlow o teste serve para se voltar a acostumar à nova montada de fábrica.

Scott Redding, da Estrella Galicia Marc VDS Team, também fez muitas voltas com a RC213V de fábrica, terminando o dia em 11º.

Andrea Dovizioso, da Ducati Team, e o colega de equipa Andrea Iannone usaram a GP14.3 – uma actualização da GP14.2 com algumas diferenças visuais e melhorias de electrónica. A nova Ducati GP15 deverá ser entregue em Sepang 2, no final de Fevereiro.

Dovizioso foi quarto com uma marca de 2m00,617s, quase dois segundos mais lesto que no mesmo dia do ano passado. Iannone testou novo garfo e carenagem frontal e terminou em sétimo.

A dupla da Factory Aprilia Gresini, Álvaro Bautista e Marco Melandri (15º e 26º respectivamente), trabalhou arduamente nas novas motos – como motores de válvula pneumática – isto depois do piloto de testes Michael Laverty ter levado a cabo um primeiro shakedown do protótipo italiano durante a manhã.

Bautista teve um problema mecânico com a nova Aprilia e necessitou de um empurrão do piloto de testes da Suzuki, Nobu Aoki – que estava a assistir à acção do lado de fora da pista na Curva 4; só assim a moto voltou a funcionar.

Aleix Espargaró não se mostrou muito limitado pela lesão nos ligamentos do joelho contraída durante o Inverno, voltando ao trabalho com o estreante de MotoGP™ Maverick Viñales aos comandos da Suzuki GSX-RR. A dada altura Espargaró teve uma saída de pista sem consequências de maior e terminou em 14º, a menos de dois segundos de Márquez. Viñales rodou a menos de um segundo do novo colega de equipa para terminar na 21ª posição da tabela de tempos.

A Suzuki também apresentou um tubo de escape mais curto e os pilotos de fábrica só começaram o trabalho depois do piloto de testes Takuya Tsuda fazer um primeiro shakedown à moto no início do dia.

Na ausência de Hernández na Pramac Racing, Michele Pirro (12º) trabalhou na electrónica para a Ducati fazendo uso da GP14.2, enquanto Danilo Petrucci (13º) ensaiou com a GP14.1 com software Open.

Héctor Barberá (18ª) e Mike di Meglio (23º), ambos da Avintia Racing, acostumaram-se ao novo software Open Magneti Marelli, tal como todos os pilotos que vão usar o novo pacote de electrónica esta época. Melhorias no controlo de tracção e no acerto do anti-cavalinho deverão ajudar os pilotos com as suas prestações e afinações este ano.

A dupla da NGM Forward Racing, Stefan Bradl e Loris Baz (25º), progrediu com a Open Yamaha, com o germânico a impressionar ao terminar em oitavo da geral e como melhor piloto Open – ele ficou a 1,294s de Márquez. Bradl teve alguns problemas de electrónica ao início do dia e só conseguiu apresentar um tempo rápido a partir das 17 horas locais.

O novo piloto da Drive M7 Aspar, Eugene Laverty, foi 22º enquanto aspira chegar mais perto dos tempos por volta do colega de equipa Nicky Hayden com a Open RC213V-RS ao longo destes três dias. Hayden terminou o dia em 17º. Já Karel Abraham, da Cardion AB Motoracing, foi 24º com moto de igual especificação.

Alex de Angelis, da Octo IodaRacing Team, deverá passar para uma Aprilia com electrónica de especificação de fábrica em Sepang 2, mas de momento está a rodar com software Open Marelli na ART de 2014. Ele foi 27º no final do primeiro dia de trabalho de 2015.

Tags:
MotoGP, 2015, SEPANG MOTOGP™ OFFICIAL TEST, Marc Marquez, Repsol Honda Team, Sepang

Outras actualizações que o podem interessar ›