Compra de bilhetes
VideoPass purchase

Pilotos desejosos pelo desafio da Argentina

Pilotos desejosos pelo desafio da Argentina

O #ArgentinaGP começou com a tradicional conferência de imprensa com Rossi, Dovizioso, Márquez, Crutchlow, A. Espargaró e Hernández.

Para marcar o início do Grande Prémio Red Bull da Argentina Valentino Rossi, Andrea Dovizioso, Marc Márquez, Cal Crutchlow, Aleix Espargaró e Yonny Hernández juntaram-se na conferência de imprensa de pré-evento para responderem às questões da imprensa.

O actual líder do Campeonato do Mundo de MotoGP™, Valentino Rossi (Movistar Yamaha), foi o primeiro a falar: “Não é muito importante liderar ao cabo de apenas duas corridas, mas é claro que é a melhor forma de começar, em particular porque já venci uma corrida e isso é a melhor sensação. Ter 41 pontos depois de Austin, que é uma pista difícil para nós, é bom. E agora temos o terceiro Grande Prémio, que no papel é uma pista melhor para a M1.”

Rossi sublinhou a importância de cuidar do pneu frontal no Termas de Río Hondo e falou de um problema recorrente na conferência de imprensa, a incrível paixão dos adeptos argentinos: “A paixão dos fãs é inacreditável, por vezes é um pouco complicado, mas é muito bom ver a popularidade do MotoGP na Argentina.”

Andrea Dovizioso, da Ducati Team, é o primeiro piloto Ducati a somar pódios consecutivos desde Casey Stoner em 2010, isto depois dos segundos lugares no Qatar e Austin: “Que início para nós, foi quase perfeito com dois segundos lugares, o que nos deixa em segundo no Campeonato.”

O italiano falou ainda de como este bom arranque de época criou boa atmosfera na garagem da Ducati: “A sensação na equipa é diferente, agora temos muita energia para lutar e trabalhar na direcção certa para desenvolvermos a relação; conhecemo-nos melhor. Quando o ritmo da moto é bom tudo muda porque podemos trabalhar de forma diferente ao fim‑de‑semana.”

Dovizioso foi depois questionado sob o facto da sua moto ter dado sinais de ter ficado sem combustível logo após a bandeira de xadrez em Austin, ao que respondeu: “Não ficámos sem combustível, tivemos um problema com o depósito e não podemos falar disso…!”

O Campeão do Mundo de MotoGP™ da Repsol Honda, Marc Márquez, admitiu que o Campeonato está bom do ponto de vista dos espectadores e que ficou preocupado após a prestação do Qatar: “A minha preocupação depois do Qatar era voltar a estar forte e regressar de imediato à luta pelo Campeonato e agora estamos a apenas cinco pontos.”

No ano passado Márquez liderou uma dobradinha da Honda, com o agora lesionado colega de equipa Dani Pedrosa em segundo, mas considera que agora será um desafio mais duro: “No ano passado senti-me bem aqui, mas este ano, como vimos em Austin, todos os outros melhoraram pelo que temos de trabalhar arduamente para estarmos ao mesmo nível.”

Cal Crutchlow, da  CWM LCR Honda, falhou a corrida do ano passado na Argentina devido a lesão: “É muito bom estar aqui finalmente para o GP da Argentina; somos muito bem recebidos por muitos fãs! Apesar de ter visto a corrida de casa no ano passado, foi um dos melhores Grandes Prémios do ano.”

Apesar de não ter rodado na pista, o britânico participou num teste no Termas de Río Hondo: “Espero tirar o máximo partido dos treinos livres porque não corri cá no ano passado e estamos em desvantagem. Quando testei aqui não havia aderência, pelo que é bom saber para que lado vai a pista; ainda temos muito trabalho a fazer, mas estou desejoso por correr.”

O homem que assinou a terceira melhor volta em Austin, o que é incrível quando se tem em conta a falta de potência da GSX-RR e o facto do COTA ter a recta mais longa do calendário, foi Aleix Espargaró, do Team Suzuki Ecstar. O espanhol espera melhorar ainda mais na Argentina: “Preferíamos ter terminado melhor no Qatar, mas somámos pontos, o que é bom quando sofremos muito em recta. Estamos contentes com o trabalho que estamos a fazer, mas temos de trabalhar mais e esperamos ficar cada vez mais perto da frente.”

A Argentina acaba por ser o GP caseiro de Yonny Hernández, da Pramac Racing, não fosse ele da América do Sul e o primeiro colombiano a competir em Campeonatos do Mundo. Ele quer recuperar depois da queda em Austin: Estou muito contente por estar aqui, é como uma corrida em casa e quero ficar nos dez primeiros e conseguir um bom resultado para os fãs e para a minha gente.”

Hernández vai correr com a bandeira da Argentina no capacete durante o fim‑de‑semana: “É uma edição especial do capacete para a corrida porque me sinto casa aqui e é especial para todos os argentino e latino-americanos.”

Carregue aqui para ver o vídeo completo da conferência de imprensa.

O Grande Prémio Red Bull da Argentina tem início pelas 09:00 locais de sexta-feira com a primeira sessão de Treinos Livres da Moto3™.

Tags:
MotoGP, 2015, GRAN PREMIO RED BULL DE LA REPÚBLICA ARGENTINA, Marc Marquez, Andrea Dovizioso, Valentino Rossi

Outras actualizações que o podem interessar ›