Compra de bilhetes
VideoPass purchase

GP de Inglaterra arranca com conferência de imprensa

GP de Inglaterra arranca com conferência de imprensa

O Octo GP de Inglaterra teve o seu início oficial nesta tarde de quinta-feira com a tradicional conferência de imprensa de pré-evento.

Os líderes conjuntos da classificação do Campeonato de MotoGP™ da Movistar Yamaha, Jorge Lorenzo e Valentino Rossi, o Campeão do Mundo e terceiro classificado Marc Márquez, da Repsol Honda, o quarto da geral Andrea Iannone, da Ducati Team, e os representantes da casa Bradley Smith, da Monster Yamaha Tech3, e Danny Kent, o líder da Moto3™, da Leopard Racing, foram os nomes que estiveram presentes para responderem às questões dos jornalistas na conferência de imprensa que esta tarde teve lugar em Silverstone.

Lorenzo foi o primeiro a falar sobre a liderança conjunta do Campeonato. “Sim, é uma boa situação para mim, para o Valentino e para a Yamaha. Esperámos alguns anos para estarmos nesta situação e agora temos alguma tranquilidade, mas não em demasia. O Marc ainda está na luta e creio que ainda pode vencer algumas corridas e recuperar alguns pontos. Temos de ter cuidado com ele e dar o máximo em todos treinos e corridas para somar o máximo de pontos.”

O espanhol continuou mostrando-se “muito orgulhoso com a recuperação de pontos. Depois da Argentina estava com um atraso de 29 e agora recuperei tudo. É um novo início de Campeonato para mim e para o Valentino. Mas isso não significa que vou somar mais pontos que o Valentino nas próximas corridas. Cada corrida é diferente e cada ano é diferente. O facto de ter ganho aqui três vezes não significa que o volte a fazer. Temos de trabalhar desde os treinos, caso contrário será complicado.

Enquanto isso, Rossi mostrou-se muito contente pelo desenrolar do Campeonato até ao momento. “Estou muito contente por ter os pontos que tenho e por estar liderança, apesar de agora ter os mesmo pontos que o Jorge e ele ser o primeiro por ter mais vitórias. Estou muito orgulhoso pela primeira parte da época. Agora será cada vez mais difícil e teremos uma grande luta. Antes da paragem de Verão consegui lutar com o Jorge nas últimas duas corridas e terminar com 13 pontos de vantagem, mas após a paragem ele regressou em melhor forma e fez grandes corridas. Vai ser complicado porque tenho de ser mais rápido e manter a concentração no meu trabalho.”

“Silverstone é uma pista complicada, não é das minhas preferidas. Gosto da pista, mas a relação que tenho tido com ela não é melhor. No primeiro ano não corri devido à lesão contraída em Mugello e o Jorge foi logo muito forte, vencendo com grande vantagem. Depois, com a Ducati, foi muito duro, mas agora está a melhorar com a Yamaha. No ano passado fiquei muito contente com o pódio e a corrida não foi má.”

“Tenho sido muito regular e terminado no pódio em todas as corridas este ano; é por isso que tenho o mesmo total de pontos que o Jorge, que venceu mais corridas. Estou contente com todos os pódios, mas temos de fazer melhor para terminar nos dois primeiros e não apenas nos três primeiros porque a luta pode ser renhida e não nos podemos esquecer do Marc. Ele está muito perto e já mostrou que pode vencer.”

Já Marc Márquez reconheceu que não pode falhar se quiser revalidar o ceptro. “Tenho de dar os 100%, estar lá em todas as corridas e espera para ver. É verdade que em Brno, onde geralmente temos dificuldades, conseguir ser segundo e acompanhar o Jorge durante algumas voltas. No ano passado aqui tive um fim‑de‑semana muito bom, só no domingo é que o Jorge esteve mesmo forte. Veremos os ressaltos e temperaturas deste ano; todos anos temos mais ressaltos na pista e temos de ver o nível dos pilotos Yamaha e também o que Dani [Pedrosa] conseguirá fazer.”

“O Campeonato ainda não acabou, mas está difícil. É claro que 52 pontos de diferença é muito, mas ainda acredito e estamos a dar tudo. O mais importante é que me sinto bem com a moto, muito melhor que no início da época. Temos de continuar a puxar e estar lá com eles.”
Por seu lado, Iannone reconheceu o quão positivo está a ser a sua temporada. “Está a ser um bom ano para mim; comparando com o ano passado melhorei muito e isso deixa-me muito contente. Mas quero continuar nesta linha porque é importante para mim. Estou a dar o meu melhor para manter a quarta posição no Campeonato, mas não será fácil porque o Brad está a ser muito contente. Vou dar tudo o que tenho nas últimas sete corridas e espero melhorar os meus resultados.”

“Creio que Silverstone é uma pista complicada para mim, não é das minhas preferidas, mas creio que com a minha actual moto será melhor; no ano passado o Dovi teve um bom fim‑de‑semana e lutou pelo pódio o tempo todo. Creio que com a GP15 e a potência que tem conseguirei ser forte aqui.”

Já Smith, o melhor piloto da casa da categoria rainha rainha, reiterou os objectivos traçados no início do ano. “Um dos principais objectivos para esta época era continuar a trabalhar em todos os pequenos detalhes. Estes tipos aqui estão sempre a trabalhar nas suas fraquezas e nunca estão contentes com as prestações, mesmo quando ganham. Isso foi algo que tive de começar a fazer, mesmo quando estou contente com a moto tenho de continuar a puxar em frente e encontrar os passos seguintes. Até agora tem funcionado, tenho sido consistente e por vezes tenho mesmo conseguido converter um sábado difícil num domingo muito bom; quero continuar com esse progressos e a seguir em frente.”

“Agora parece que estamos num impasse, presos a 20 segundos dos líderes no final. Brno foi uma corrida muito má para mim, via as duas Ducati e o Dani desaparecerem ao longe. Apesar de ser quinto no campeonato, estou a lutar com o Andrea e o Dani e é importante reduzir esse atraso aqui e ver onde temos de melhorar. Vou tentar, é tudo o que posso fazer. Dou sempre o máximo que posso com o que tenho e com a minha equipa e se isso significa que posso estar a lutar com as motos de fábrica é o que vou fazer.”

Enquanto isso, Danny Kent reconheceu o bom nível que apresentou nas oito primeiras corridas do ano e que lhe valeu a liderança isolada da Moto3™. “As primeiras oito corridas foram como um sonho para nós. Estivemos sempre no pódio, mas não podemos esperar sempre isso e nestas últimas corridas tivemos algum azar. Estaríamos mais preocupados se chegássemos aqui sem ritmo, mas em Indy tivemos andamento durante todo o fim‑de‑semana e foi apenas uma questão de azar na corrida, tal como em Brno. Mas chegamos aqui muito motivados.”

“É bom chegar ao Grande Prémio em casa na liderança, mas nas últimas corridas perdemos 21 pontos. Temos de continuar a trabalhar arduamente. O ritmo ainda lá está e temos de aumentar de novo a vantagem.”

Tags:
MotoGP, 2015, OCTO BRITISH GRAND PRIX, Danny Kent, Bradley Smith, Valentino Rossi, Jorge Lorenzo, Marc Marquez, Andrea Iannone, Repsol Honda Team, Monster Yamaha Tech 3, Leopard Racing, Movistar Yamaha MotoGP, Ducati Team

Outras actualizações que o podem interessar ›