Compra de bilhetes
VideoPass purchase

#SepangClash: A reacção de Jarvis

#SepangClash: A reacção de Jarvis

Lin Jarvis explica o que pensa sobre o #SepangClash no GP da Malásia e fala sobre o recurso.

O Director da Movistar Yamaha, Lin Jarvis, falou sobre a decisão da Direcção de Corrida acerca do incidente Rossi/Márquez no Grande Prémio de Shell da Malásia e do recurso.

Qual é a sua reacção à penalização contra o Valentino?

“Penso que o que aconteceu hoje, o incidente em pista, foi resultado da competição em pelo menos duas corridas entre o Marc Márquez e o Valentino Rossi. Desde a primeira corrida em Philip Island que se falava das acusações do Valentino sobre a tentativa do Marc controlar a corrida e tentar influenciar o Campeonato e penso que o que vimos na corrida foi a vingança de Marc Márquez às declarações do Valentino na comunicação social.

Porque, se analisarmos a corrida de hoje em detalhe e estudarmos todos os movimentos que o Marc fez, não há nada ilegal num único movimento, mas se virmos os detalhes, aí temos de questionar as motivações e o estilo de corrida e a tentativa do Marc de claramente tentar perturbar o Valentino ao máximo. Finalmente, isso resultou num excesso de frustração do Valentino, que explodiu e fez uma manobra que foi incorrecta de encostar o Marc ao lado da pista. Depois, infelizmente, o Marc decidiu bater na perna, o que provocou o incidente, com o Marc a cair.

Estou muito triste que o incidente tenha resultado na queda de outro piloto. Penso que o Valentino foi visto, digamos assim, como aquele que fez uma manobra que não era legal. Este foi o resultado final e foi por isso que foi penalizado.

Inicialmente foi-lhe atribuída uma penalização de três pontos, que juntando àquela que ele já tinha faz quatro pontos, o que significa que vai partir do fim da grelha em Valência. De qualquer forma o nosso trabalho enquanto equipa é defender o interesse dos nossos pilotos, mas não podemos negar que o movimento que o Valentino fez é um tipo de manobra que não gostamos de ver no MotoGP. Pensamos que a penalização é muito pesada, tirar três pontos quando o Valentino não é normalmente um piloto que faz jogo sujo. Não é um piloto que cria problemas para os outros, por isso enquanto equipa apelámos para a FIM da primeira decisão da Direcção de Corrida. Depois o Valentino foi ouvido pelo FIM, a seguir a FIM também consultou a Direcção de Corrida,   depois a FUIM também falou com Marc Márquez e a Honda e finalmente depois de 45 minutos soubemos o resultados, que o recurso tinha sido rejeitado.

Por isso, mantém-se a penalização inicial de três pontos contra o Valentino. Quando há uma decisão da Direcção de Corrida podemos recorrer para os Comissários da FIM. Se os Comissários da FIM rejeitarem o nosso recurso e concordarem com a decisão original, não há mais recurso. É uma decisão final, caso encerrado”.
 
Nas imagens do helicóptero é possível ver o Márquez a tocar na perna de Valentino e o Rossi diz que isso fez o pé saltar do apoio e que não estava a dar um pontapé no Marc, concorda com isto?

“Não é apenas o que eu vi, mas o que o Valentino me disse. Neste caso, penso que as imagens corroboram a versão dele. Um pontapé normalmente é um gesto agressivo; neste caso a perna dele veio para trás e basicamente o Valentino disse que ele lhe tocou e que a perna saiu do apoio. Penso que não será muito sensato pontapear uma mota RC213V de 157 kg”.

Acha que a reacção do Rossi se justificou?

“Não estou a defender a atitude dele. Por isso é que ele foi penalizado, porque foi entendido que a sua manobra não estava dentro das regras da corrida”.

Tags:
MotoGP, 2015, SHELL MALAYSIA MOTORCYCLE GRAND PRIX, RAC, Movistar Yamaha MotoGP

Acompanhe a história ›

Outras actualizações que o podem interessar ›